Bariatricar Minha Vida com AR

Quando perdi 25 kilos ressignifiquei a minha vida

Era 25 de setembro de 2018, o dia em que tudo mudou. Foram meses e meses de planejamento, de medos absurdos, de incertezas mas também de certezas, a certeza de que eu precisava sair dos indicadores de péssimo prognóstico: obesidade e artrite reumatoide.

Pesquisas apontam que o risco cardiovascular é naturalmente ampliado em pacientes com artrite reumatoide, que em 10 anos de doença, até 60% dos pacientes podem desenvolver obesidade e até 50% deles podem desenvolver algum tipo de doença cardiovascular. Os estudos apontam ainda que o sedentarismo é 4 vezes maior em pacientes com artrite reumatoide. Eu estava dentro de todos esses prognósticos: colesterol elevado, IMC superior a 38, pré-diabética e claro, sedentária. Para mim era como, uma tragédia anunciada, era muito mais do que perder peso, era sobre conquistar saúde, longevidade e qualidade de vida.

E assim foi, realizei a cirurgia bariátrica com a técnica sleeve gástrico, no dia 25 de setembro de 2018, deixei de ser obesa, saí do IMC de 38.3 para 27, do número 48 para o 38, de todos os exames alterados para todos os exames controlados. A cirurgia me ajudou a emagrecer, me ajudou a ter ganhos incalculáveis na minha qualidade de vida.

Atingir o marco de 1 ano assim, leve, saudável e com uma nova consciência tanto corporal quanto emocional, gera o sentimento de vitória e de gratidão. Gratidão a minha irmã, Maraisa que foi a primeira a operar, pois se ela não morresse eu iria operar (era nosso acordo), ela foi e não morreu, seis meses depois eu operei e quando eu completei 6 meses, minha irmã caçula Beatriz operou, hoje somos 3 irmãs que juntas eliminamos mais de 70 kilos. E nessa jornada eu aprendi muitas coisas, entre elas:

Enfrentar o medo: eu tinha um medo avassalador de fazer a cirurgia bariátrica, pensar no dia da cirurgia me causava insônia. Hoje avalio que eu sofri mais tomando remédios para emagrecer durante 5 anos, do que no período da dieta do pós-operatório. Hoje mudei meu enfrentamento e penso, se tiver medo, vai com medo mesmo, mas sempre com prudência.

Dietas não são efetivas: o que é de fato efetivo são mudanças nos hábitos de vida, escolhas saudáveis são determinantes de qualidade de vida, eu escolhia errado, não respeitava o meu corpo e paguei com a obesidade.

Sedentarismo faz parte da falta de motivação: eu nunca tive aderência tão estável à prática de atividade física como tenho agora, isso foi motivado pelos resultados e necessidades visíveis no meu corpo.

Emagrecer também é triste: a flacidez causa desespero e para combatê-la somente com muita atividade física (meta atingida nos resultados). Olhar seu corpo caindo, despencando diante do espelho te causa verdadeiro desespero.

Aprendi que a dieta líquida, o famoso terror da bariática, não é tão terrível assim, foram 30 dias rápidos, sem sofrimento e sem fome. Nunca senti fome nos períodos de dieta restritivas. Voltar a comer é muito mais difícil do que ficar sem comer.

Aprendi que é estupidamente difícil comer fora de casa: conseguir um ovo cozido em um hotel após as 22 horas é artigo de luxo, acreditem, é muito complicado comer saudável em um mundo com consciência fast-food.

Nem tudo são flores, com 1 ano de operada eu tenho ferritina baixa, e hoje não tomo medicamentos diários para tratar a artrite reumatoide (uso biológico em monoterapia), mas diariamente tenho que tomar 4 tipos de vitaminas e isso é uma parte super chata da bariátrica, pois as vitaminas são gigantes e desconfortáveis de serem engolidas (e caras). Mas, como diz meu reumatologista “você sabia que iria precisar de vitaminas, logo não cabe reclamações” e isso é um fato. Um novo olhar, um novo cuidar e uma nova perspectiva de vida.

A obesidade é uma doença e precisa de ajuda médica para ser combatida. A cirurgia bariátrica nunca deve ser a primeira escolha, mas tratar a obesidade com suporte da equipe multiprofissional e do reumatologista é fundamental para o envelhecimento com qualidade de vida. Converse abertamente com o seu reumatologista.

Histórico:

  • Peso na data da cirurgia bariátrica – 25/09/2018: 92 k IMC: 38.3
  • Peso atual – 26/09/2019: 66 k IMC: 27
  • 12 meses: 25 K #Off
Gratidão ao meu reumatologista que compartilhou as decisões e me fez assumir a responsabilidade de se autocuidar.

 

Informações úteis:

  1. Precisamos falar, tratar e combater a obesidade, ela é uma das maiores inimigas da qualidade de vida das pessoas com doenças inflamatórias, como por exemplo a artrite reumatoide e diversas doenças reumáticas.
  2. A cirurgia bariátrica não é e nunca deve ser a primeira escolha para o emagrecimento, somente devemos pensar nessa alternativa depois de pelo menos 2 anos tentando emagrecer com acompanhamento médico, nutricional -reeducação alimentar e pratica de atividade física.
  3. A obesidade deve fazer parte da conversa e decisões compartilhadas com o reumatologista #sempre.
  4. Quando o reumatologista fala que “precisamos emagrecer”não é chatice, é cuidado + claro, odiamos com todas as forças ouvir isso, por isso, que tal, buscarmos a mudança.
  5. Segundo o Rol de cobertura obrigatória da ANS: os planos de saúde são obrigados a fornecer cobertura completa ao tratamento da cirurgia bariátrica para pessoas com obesidade e IMC acima de 35 e doenças crônicas, como a artrite, artrose, diabetes, hipertensão e depressão, doenças bastante comuns que são agravadas pela obesidade.

Artigos Relacionados

Um pouco sobre mim

Priscila Torres

Um dia me falaram que pilates era fácil

Priscila Torres

Cirurgia bariátrica como tratamento para o diabetes

Priscila Torres
Loading...