if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));

Saque do FGTS para pessoas com doenças reumáticas

Pessoas com artrite reumatoide, espondilite anquilosante, lúpus entre outras doenças, residentes dos estados: Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, podem sacar FGTS diretamente nas agências da Caixa Econômica Federal, nos outros estados é necessário um pedido judicial
O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço pode ser sacado mesmo em caso de doença grave não lista na Lei 8.036/1990. Em 2013, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, na região Sul do país, ampliou a lista de doenças que podem fazer o saque do FGTS pelos trabalhadores e por seus dependentes.
Foram incluídas nas hipóteses de retirada as seguintes doenças: tuberculose ativa; hanseníase; alienação mental; cegueira; paralisia irreversível e incapacitante; cardiopatia grave; doença de Parkinson;
espondiloartrose anquilosante; nefropatia grave; estado avançado de doença de Paget (osteíte deformante); artrite reumatoide severa; hepatite crônica tipo C,;miastemia grave; e lúpus eritematoso sistêmico.

Estados que permitem o saque de FGTS:
– Paraná
– Rio Grande do Sul
– Santa Catarina

Nesses estados é possível sacar o FGTS direto nas agências do banco Caixa Econômica Federal. Nos demais estados brasileiros é preciso solicitar o saque na Caixa Econômica e caso seja negado, juntar o comprovante da negativa de saque e entrar com um pedido de saque do FGTS por meio da Justiça Federal Especial.

Lista de documentos para o saque:
  • Carteira de Trabalho;
  • RG e CPF do trabalhador ou dependente;
  • Cartão Cidadão ou número de inscrição PIS/PASEP ou Inscrição de Contribuinte Individual junto ao INSS para o doméstico não cadastrado no PIS/PASEP;
  • Comprovante de dependência, no caso de saque para o dependente do titular da conta que estiver acometido de doença reumática;
  • Relatório médico, descrevendo as seguintes informações: diagnóstico expresso da doença, estágio clínico atual da doença/paciente, registrando sua gravidade; CID – Classificação Internacional de Doenças, data, nome e CRM do médico com a devida assinatura;
  • Exames que comprovem a existência da doença;

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: