Colunas da Pri Em destaque

Ministério da Saúde quer ouvir médicos e pacientes sobre o protocolo de tratamento da Artrite Reumatoide no SUS

Proposta da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologia no SUS (Conitec), prevê a atualização do protocolo de tratamento da artrite reumatoide, incluindo um novo medicamento oral (baricitinibe) e retirando do médico a decisão de troca entre biológico originador e biossimilar, permitindo assim múltiplas trocas conforme a decisão do Ministério da Saúde no momento da compra. As contribuições podem ser enviadas até o dia 6 de julho, pelo site: http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=57530

No relatório de atualização, o Ministério da Saúde informa que, a decisão do uso de medicamentos biossimilares será determinada pelo Departamento de Assistência Farmacêutica, retirando a autonomia da decisão compartilhada entre médicos e pacientes. Deixando claro que pacientes estáveis em tratamento serão submetidos à múltiplas trocas entre medicamento biológico originador e biossimilar, contrariando as recomendações da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

Com o vencimento de patentes para alguns biológicos de referência (biológico originador) deu início a uma era de produtos que são projetados para serem “similares” a um produto original licenciado. Por sua natureza biológica, alto peso molecular e complexidade, esses medicamentos não são “copiáveis”, isto é, não é possível com as tecnologias atuais obter um medicamento biológico idêntico a outro. Não existem medicamentos biológicos “genéricos”, mas sim, biossimilares dos medicamentos de referência, uma vez que não são idênticos.

No protocolo de artrite reumatoide, encontra-se atualmente 4 medicamentos biológico originadores que já perderam patente, ou seja, os medicamentos adalimumabe (Humira), etanercepte (Enbrel), infliximabe (Remicade) e rituximabe(Mabthera), já possuem suas versões biossimilares, sendo por exemplo, realizado a troca automática ainda em 2019, de todos os pacientes que usavam o Enbrel de 50 mg para o Brenzys (etanercepte biossimilar), não sendo consultado a opinião e autorização médica para a troca.

No último protocolo de artrite reumatoide, publicado em março de 2020, com plena e democrática participação social, recomendava que, “A troca de um biológico originador por outro biológico ou por biossimilar em paciente que vem respondendo adequadamente à terapia deve ser realizada de acordo com a prescrição médica”. Essa recomendação resguardava a decisão compartilhada entre médico e paciente e mantinha a segurança dos pacientes estáveis em tratamento.

Na proposta de protocolo que está em consulta pública diz que: “A troca de um biológico originador por outro biológico em paciente que vem respondendo adequadamente à terapia deve ser realizada de acordo com o fluxo de tratamento deste PCDT. O uso de medicamentos biossimilares seguirá orientações do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica que informará por meio de Nota Técnica os medicamentos disponíveis para o tratamento da Artrite Reumatóide”. Ou seja, será usado o que for comprado pelo Ministério da Saúde, deixando de ser importante a decisão compartilhada entre médico e paciente, sem considerar os pacientes estáveis em tratamento.

Sem a regulamentação da intercambialidade, com essa recomendação no protocolo de artrite reumatoide, podemos ter várias marcas destes medicamentos sendo dispensadas nas farmácias de alto custo, ocorrendo múltiplas trocas entre biológico originador e biossimilar, ou até mesmo de biossimilares para biossimilares, descumprindo a recomendação da nota técnica nº 003 da ANVISA/GPBIO  que “entende não serem adequadas múltiplas trocas entre produtos biossimilares e o produto biológico comparador, ficando a rastreabilidade e monitoramento do uso bastante dificultados nestes casos”. Dessa forma, o presente protocolo clínico e diretrizes terapêuticas da artrite reumatoide, deve trazer uma recomendação segura e responsável sobre a utilização de medicamentos biológico originador e biossimilar.

Segundo a ótica das associações de pacientes, no Manifesto pela Segurança dos Pacientes usuários de Medicamentos Biotecnológicos da Biored Brasil, que encontra-se alinhado com os consensos das sociedades médicas nacionais e internacionais, os medicamentos biossimilares comprovam eficácia e segurança, porém não provam serem intercambiáveis, ou seja, não provam a segurança para serem trocados da forma como o Ministério da Saúde está propondo. Sendo assim, os medicamentos biossimilares, deveriam ser usados apenas em pacientes novos na tecnologia e sem nenhuma possibilidade de trocas.

Nas últimas décadas, o uso de medicamentos biológicos trouxeram aos pacientes com artrite reumatoide, grandes oportunidades de recuperação de suas qualidade de vida, permitindo não somente o controle da doença, mas modificando completamente o cenário desta doença no país. Este foi um protocolo construído com a participação social, e que neste momento precisa novamente da contribuição de todos aqueles que de alguma forma convivem com a doença.

Um outro ponto importante desta consulta pública é que a CONITEC irá avaliar a incorporação de um novo medicamento para artrite reumatoide, o upacitinibe, desta forma, sabemos que em breve será necessário uma nova atualização do protocolo de artrite reumatoide.

Para participar, basta seguir o passo a passo:

1º: leia o relatório completo neste link: http://conitec.gov.br/images/Consultas/Relatorios/2020/Relatrio_Artrite_Reumatoide_CP_21_2020.pdf

2º Preencha o formulário que está disponível neste link: http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=57530 – as questões de 1 a 5 são de informações de contato.

3º Na questão nº7: Você gostaria de alterar ou incluir alguma informação ao texto? responda que sim, e comente sobre o seu ponto de vista, se você considera correto a mudança de pacientes estáveis em tratamento com medicamento biológico originador para biossimilar, sem o consentimento do médico reumatologista. Conte como é difícil controlar a doença e todos os aspectos de sua vida que são impactados pela doença.

4º Na questão nº 8:  Gostaria de comentar sobre algum outro aspecto? registre a sua experiência de vida real, contando a sua jornada de convivência com a artrite reumatoide, contando todas as etapas de tratamento, ressaltando a importância de ter acesso a medicamentos que sejam prescritos pelo seu reumatologista e reforçando o quanto é importante que a prescrição de seu reumatologista seja respeitada pelo Gestor Público.

Referência:
Consulta Pública Conitec: www.conitec.gov.br 
Nota Técnica Anvisa GPBIO nº 003
Manifesto pela Segurança dos Pacientes Usuários de Medicamentos Biotecnológicos

 

Related posts

Criança com artrite idiopática juvenil espera desde setembro medicamento de alto custo na Bahia

Priscila Torres

Médica reumatologista esclarece se tratamentos alternativos como os chás podem ajudar no controle das doenças reumatológicas #SBR2018

Beatriz Libonati

Biológico sem mitos nas Doenças Inflamatórias Intestinais

Priscila Torres
Loading...