Notícias

Mesmo sem cura, vitiligo pode ser tratado

Vitiligo é uma doença que, embora seja estigmatizante, possui tratamento que pode amenizar as manchas espalhadas pelo corpo. No domingo (25), quando foi lembrado o Dia Mundial do Vitiligo, médicos alertam que o tratamento deve ser iniciado o quanto antes.

Médicos alertam que o tratamento deve ser iniciado o quanto antes

Segundo a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), o vitiligo é caracterizado pela perda da pigmentação da pele e acomete cerca de 0,5% da população mundial. As lesões se formam devido à diminuição ou ausência de melanócitos, células responsáveis pela formação de melanina, pigmento que dá cor à pele.

O dermatologista Luís Fernando Ferrari, de Araçatuba, explica que o vitiligo é uma doença que tem suas causas parcialmente esclarecidas, sendo a teoria mais provável é que se trate de uma alteração autoimune. “Ou seja, envolve um ataque de autoanticorpos contra os melanócitos”, completou.

Ferrari frisa que é possível notar que há maior incidência de vitiligo em famílias com muitas doenças autoimunes, como alguns problemas de tireoide e lúpus, por exemplo. “Não há cura definitiva, mas há tratamento. Os medicamentos tópicos podem agir tanto como estabilizadores da expansão das manchas quanto na repigmentação da pele”, explicou o dermatologista, ao completar que, nessa função repigmentadora destaca-se a fototerapia com o uso de lâmpadas ou laser, que é um tratamento seguro e comprovadamente eficaz.

Por sua vez, o médico Caio César Silva de Castro, integrante da SBD, afirma que para obter sucesso no tratamento é importante que a consulta com o dermatologista, para diagnóstico e tratamento, seja realizada precocemente. “O tratamento é individualizado e deve ser discutido com um médico dermatologista. Os resultados podem variar consideravelmente entre uma pessoa e outra”, destacou.

ESTRESSE
Os médicos alegam que os pacientes também devem seguir algumas recomendações, como evitar usar roupas apertadas, que provocam atrito sobre a pele, diminuir a exposição ao sol e controlar o estresse, que são fatores que podem precipitar o aparecimento de novas lesões ou acentuar as já existentes.

A maioria dos pacientes de vitiligo não manifesta qualquer sintoma além do surgimento de manchas brancas na pele. Em alguns casos, relatam sentir sensibilidade e dor na área afetada. Entretanto, uma grande preocupação dos dermatologistas são os sintomas emocionais que os pacientes podem desenvolver em decorrência da doença.

PSICOLÓGICO
De acordo com a SBD, na maioria casos recomenda-se o acompanhamento psicológico, que pode ter efeitos bastante positivos nos resultados do tratamento. “O vitiligo é condição que não põe em risco a saúde, porém pode ter grande impacto psicossocial. Sensibilidade e tato são imprescindíveis ao se lidar com o paciente, e acima de tudo, deve ser respeitada sua vontade de tratar ou não a doença”, salientou o médico de Araçatuba.

Fonte: http://www.folhadaregiao.com.br/ara%C3%A7atuba/mesmo-sem-cura-vitiligo-pode-ser-tratado-1.346702

Anúncios

Artigos Relacionados

COVID-19: telemedicina é a nova aliada no combate ao vírus

Priscila Torres

Pesquisadores em MG avaliam efeitos do passe espírita na medicina

Priscila Torres

Anvisa aprova medicamento que prolonga alívio da dor em pacientes com osteoartrite

Priscila Torres
Loading...