Artrite Idiopática Juvenil Colunas da Pri Video

Marina e a Artrite Juvenil

Marina, andou com nove meses, aos dois anos ela foi dormir normal e acordou com dores e dificuldade em movimentar os pulsos, andar se tornou um grande desafio. Na luta pelo diagnóstico sua mãe Cibeli Leão, enfrentou toda sorte de “achismos” e julgamentos de uma sociedade que não acreditava na dor de sua pequena.
Após ser submetida a equivocadas imobilizações ortopédicas, foi definido o diagnóstico – Artrite idiopática Juvenil, porém, Marina já não andava pelas manhãs e a rigidez matinal, só lhe permitia levantar da cama por volta das 14 horas, todas as atividades diárias foram comprometidas e recuperar a qualidade de vida, foi uma dura jornada, superada por essa pequena guerreira e sua família. Hoje, cinco anos após o diagnóstico, Marina encontra-se em tratamento na ONG Acredite, onde foi incluída em um protocolo de pesquisa clínica e está recebendo doses mensais de medicamento biológico “Tocilizumabe – Actemra”, que lhe permitiram se tornar “Atleta de Ginástica Arrítmica”, com a conquista de várias medalhas.
Assista ao vídeo e entenda, que a Artrite Idiopática Juvenil, não limitará o crescimento de nossas crianças.

Agradecimentos: Dr. Claúdio Len e ACREDITE “Amigos da Criança com Reumatismo”

Artigos Relacionados

A dor que dói mais: Dor de sensibilização nas doenças reumáticas

Priscila Torres

Tratamento Alvo da Artrite Reumatoide “Treat to Target”

Priscila Torres

Existe algum exame específico que dê indícios de uma AIJ ser local ou que tenha chance de acometer outras articulações, e até mesmo definir se ela é sistêmica?

Priscila Torres
Loading...