Colunas da Pri Coronavirus

Atestado médico para quarentena preventiva do Coronavírus pode não ter cobertura do INSS

Entenda a diferença entre afastamento preventivo e o afastamento por incapacidade para o trabalho

O coronavírus trouxe muitas situações novas, entre elas o termo afastamento preventivo do trabalho, que é uma situação nova que foge do âmbito da previdência social, que por meio do auxílio doença prevê o afastamento do trabalho segundo a incapacidade laborativa trazida por uma doença crônica ou acidente. No entanto, os pacientes com doença crônica que fazem parte do grupo de risco, encontram-se em desespero, com medo de trabalhar e contrair o coronavírus. Por se tratar de uma declarada situação de calamidade pública, entendemos que será impossível a previdência social absorver e conceder auxílio doença de caráter preventivo e não por incapacidade para o trabalho.

Os pacientes reumáticos somente fazem parte do grupo de risco quando estão em utilização de medicamentos que baixam a sua imunidade, entre esses medicamentos estão os imunossupressores e os medicamentos biológicos. Somente o médico reumatologista pode declarar o estado de imunossupressão, porém o reumatologista não pode declarar o estado de incapacidade para o trabalho apenas considerando o estado de imunossupressão, por isso, pedimos aos pacientes que compreendam os limites que os médicos têm na hora de preencher e emitir um relatório médico. A crise do coronavírus é global e não pode atingir a relação entre o paciente e seu reumatologista.

Nós pacientes precisamos entender que pode ser possível que a maioria das empresas aceitem pagar pelos 15 dias iniciais de atestado médico, no entanto não existe nenhuma garantia de que o INSS vai conceder o benefício de auxílio doença para estes pacientes, é que nos explica a Dra. Dra. Carolina Centeno de Souza – advogada trabalhista e previdenciária do Escritório Arraes e Centeno.

O médico não é obrigado a atestar uma incapacidade que não existe, no caso de pessoas com doenças crônicas que estejam aptas para exercer as suas funções, mas que tem medo de contrair a doença, ou têm maior possibilidade de contrair o vírus, não quer dizer que essa pessoa está incapacitada para o trabalho por conta da doença. O médico, não tem obrigação de atestar uma situação inexistente, o que o médico pode fazer, é declarar que o paciente possui a doença, que faz uso de determinados medicamentos que aumentam a possibilidade de ter uma complicação futura caso contraia a doença. Mas, ele não pode atestar uma situação que não existe. Caso este paciente seja encaminhado ao INSS, o perito provavelmente vai ver que ele não tem uma incapacidade, que na verdade ele está capacitado, porém precisou se ausentar do trabalho por outros motivos.

O INSS não tem essa previsão de pagar afastamento por quarentena, esse afastamento preventivo por quarentena, quem paga por enquanto até que saia alguma medida nova, é o empregador, é o patrão, é o estado, o município, seja para funcionários públicos ou do sistema privado.

A Lei 3979 prevê isso, que a falta por quarentena ao trabalha é justificada, no entanto ela tem que ser concedida, quem vai determinar esse afastamento não é paciente e não será o médico, vai ser o empregador.

A pessoa que encontra-se com recomendação médica de ser afastado preventivamente do trabalho, deve apresentar um relatório médico comprovando que possui a doença, que faz parte do grupo de risco e deve tentar uma conversa com empregador, que pode tomar a decisão de conceder o afastamento ou fazer o remanejamento das funções para diminuir o risco de exposição ao coronavírus. Infelizmente o empregado que não tiver sucesso nesta negociação, corre o risco de ficar desempregado.

Converse com seu empregador, se necessário converse com seu médico e se necessário também converse com um advogado, tente informar ao máximo a situação legal que você está inserido para que você não se prejudique, finaliza Dra. Carolina Centeno. O Escritório Arraes e Centeno encontra-se disponível para esclarecimento de dúvidas por meio do email: [email protected].

Artigos Relacionados

Pacientes com artrite reumatóide devem ficar atentos às comorbidades #SBR2018

Beatriz Libonati

Uveítes não Infecciosas podem ter graves consequências se não tratadas adequadamente

Priscila Torres

Existe algum exame específico que dê indícios de uma AIJ ser local ou que tenha chance de acometer outras articulações, e até mesmo definir se ela é sistêmica?

Priscila Torres
Loading...
%d blogueiros gostam disto: