Rejeitada proposta sobre atendimento regular de mulheres com artrite no SUS

A Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados rejeitou, na última quarta-feira (2), o Projeto de Lei 395/15, do deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), que obriga a rede pública de saúde a prestar atendimento e acompanhamento regular a mulheres portadoras de artrite e artrose (osteoartrite) que tenham mais de 40 anos. Como tramita em caráter conclusivo e foi rejeitada na única comissão de análise de mérito, a proposta será arquivada, a menos que haja recurso para que seja votada pelo Plenário.

O parecer do relator, deputado Geraldo Resende (PMDB-MS), foi contrário à proposta, por considerá-la restritiva. “As artrites e artroses demandam intervenção de várias naturezas e devem ser cuidadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), qualquer que seja o sexo, a etiologia ou faixa etária do doente”, disse. “Todas as pessoas, independentemente de qualquer especificação, são detentoras do direito constitucional de assistência às questões atinentes à sua saúde.”

Para ele, não há sentido em se propor uma lei para cada tipo de patologia existente, para cada gênero ou faixa etária. “A garantia constitucional ampla do direito à saúde torna equivocada a apresentação de qualquer iniciativa tendente à particularização”, disse.
Tanto a artrose como a artrite atacam as articulações (ou juntas, como se diz popularmente), principalmente das mãos, joelhos, quadril e coluna, e possuem causas múltiplas. A diferença entre as duas doenças é que a primeira ataca pessoas de idade mais avançada, e a segunda pode ocorrer em todas as idades, com incidência maior entre as mulheres.

Considerações sobre o assunto

A falta de conhecimento da justiça e de alguns políticos sobre a Artrite e artrose, acaba por nos desamparar, um projeto como este seria de suma importância para milhares de pacientes que sofrem dessa patologia incapacitante e que por muitas vezes não é dada a importância devida.

Leia a Proposta do deputado Lelo Coimbra:

http://www.camara.gov.br/sileg/integras/1301238.pdf

Fonte: Cenario MT

  1. Véra Santa Bueno Kanopf Diz

    O que podemos fazer para que haja recurso e seja votada pelo Plenário?

  2. Laliane Silva Diz

    Lamentável isso viu! Nos portadores de AR, somos “excluídos” ate no asseguramento de recebermos o remédio pelo sus, nunca vi tanta falta de aceitação, e esquecimento … Eu mesmo desempregada me esforço com ajuda dos familiares para cuidar da minha saúde pagar médico, medicamentos, exames, entre outros.. E o principal de tudo é cuidar do psicológico por que com tanta falta de apoio e tanta decepção, temos que aguentar firme mesmo…

    1. Priscila Torres Diz

      Laliane
      Não devemos nunca desistir do nosso direito de acesso ao tratamento médico, isso nos é garantido por direito fundamental! Busque seus direito junto à Defensoria Pública da sua cidade! Abraços e Boa Sorte!
      Pri

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: