Colunas da Pri

Vacinação contra o sarampo pode ser feita para pacientes com doenças reumáticas, psoríase e doenças intestinais inflamatórias com alguns cuidados e precauções de situações que não podem ser feita

Após perder o certificado de país livre do sarampo, o Brasil tem enfrentado o aumento no número de casos da doença, que também atinge 168 países. O sarampo é altamente contagioso e a vacinação é a única forma de prevenção da doença.

Por conta da epidemia iminente, o Ministério da Saúde lançou na segunda-feira, 10/6 a 12/07, uma campanha de vacinação com a vacina tríplice viral (SCR) que protege contra o sarampo, e além disso também a rubéola e a caxumba. Com a alta cobertura da vacinação na população (maior que 95%) conseguiremos reverter esta situação e barrar a circulação do vírus.

A vacina possui o vírus atenuado, ou seja, enfraquecido e, capaz de estimular o sistema imune a produzir anticorpos contra a doença, sem causá-la em indivíduos saudáveis. No entanto, em pacientes imunossuprimidos, que possuem o sistema imunológico menos eficiente, este vírus atenuado pode não induzir a resposta desejada – proteção contra o sarampo – e levar a um quadro infeccioso.

De olho nisso, as sociedades médicas de Reumatologia (SBR), de Infectologia (SBI), de Imunização (SBim) e o GEDIIB (Grupo de Estudos de Doenças Inflamatórias Intestinais do Brasil) lançaram um posicionamento com recomendações e contraindicações da vacina.

“Pacientes que estão em remissão sem medicamentos, podem tomar a vacina sem problemas, para aqueles com a atividade da doença controlada e que tomam medicamentos que não levam a imunossupressão, em geral, poderão se vacinar, sempre após consultar seu médico em decisão compartilhada.

Já aqueles que estão com a doença em atividade e também recebendo medicamentos que levam a algum grau de imunossupressão do sistema imune, como os corticoides, devem consultar seu médico e em decisão compartilhada considerar ou contraindicar a vacina, considerando o riscos e benefícios da vacinação nesta situação de risco epidemiológico, sempre procurando planejar a vacina com a maior segurança ao paciente.

Como há diferentes níveis de imunossupressão, essa avaliação de quem pode ou não deve ser feita com o médico que acompanha o paciente”, explica doutora Gecilmara Salviato Pileggi, coordenadora da Comissão de Doenças Endêmicas e Infecciosas da Sociedade Brasileira de Reumatologia.

Dentre os medicamentos que são contraindicados concomitantemente com a vacina estão a ciclofosfamida e os medicamentos biológicos, pulso de corticosteroides, por serem mais imunossupressores. “Durante o tratamento com os medicamentos biológicos, para que o paciente possa ser vacinado é necessário parar a medicação, e o médico que acompanha o paciente irá calcular o tempo para que o organismo esteja pronto para receber a vacina.

A gente chama isso de planejar a vacina, de forma a não expor o paciente a riscos, como ficar muito tempo sem a medicação de controle da doença reumática”, ressalta Gecilmara.

Para aqueles pacientes que não podem ter a sua medicação suspensa e, consequentemente, não podem se vacinar, não há necessidade de pânico. A campanha estimula que o maior número possível de pessoas seja vacinado, assim, aqueles que não podem estarão protegidos indiretamente, estimulamos a vacinação de todos que convivem com os pacientes” .

Por isso, a gente sempre reforça a importância de se conversar com os médicos sobre as vacinas, independentemente das campanhas de vacinação. Os pacientes reumáticos devem planejar as vacinas e, sempre que possível, estarem com o cartão vacinal em dia”, destaca a reumatologista.

Para conferir as recomendações e contraindicações da vacina tríplice viral, confira aqui o documento na íntegra emitido pelas Sociedades médicas de Reumatologia (SBR), de Infectologia (SBI), de Imunização (SBim) e o GEDIIB (Grupo de Estudos de Doenças Inflamatórias Intestinais do Brasil).

Texto: Priscila Torres

Related posts

Egípcios se enterram na areia em calor escaldante para tentar curar dores do reumatismo

Priscila Torres

Nota técnica oficial sobre vacinação contra Febre Amarela para pacientes com doenças reumáticas

Priscila Torres

Rede Paulista de Apoio aos Pacientes Reumatológicos: Abrapes, Grupar, Grupasp, EncontrAR e Superando o Lúpus

Priscila Torres
Loading...