Depoimentos

Superação no palco da vida

Luta e superação fazem parte da rotina diária da pedagoga e atriz Ana Paula Carvalho. Todos os dias, ela enfrenta as dificuldades de locomoção impostas pelas limitações da artrite reumatoide (AR), doença com a qual convive há quase 20 anos. Mas nem sempre foi assim. Para ela, que já interpretou muitas histórias e personagens nos palcos, hoje é preciso encarar um papel bastante desafiador.

“Tudo começou em 1998, quando tive minha primeira crise de bursite. Não imaginava que era apenas o princípio de uma grande luta. No ano seguinte, minha vida mudou completamente: fiquei seis meses em uma cadeira de rodas e impossibilitada de trabalhar e estudar; viver para criar o meu filho passou a ser meu principal objetivo”, conta.

Foram muitas as dificuldades para terminar os estudos e seguir a profissão que sonhava. “Ao retornar para o curso de magistério, em 2000, eu que antes estudava à noite para poder trabalhar, passei para o turno vespertino. No ano seguinte, passei a estudar pela manhã para cursar artes cênicas à tarde. Em 2004, ingressei no curso de Pedagogia da Faced-Ufam. Sempre tendo que superar as crises da doença, que não eram fáceis. Tentei ter uma vida normal, mas as deformações foram limitando o meu corpo”.

A médica reumatologista Marta Aline (@dicasdareumato) explica que a AR é uma doença inflamatória sistêmica, autoimune, crônica e progressiva que compromete a membrana sinovial das articulações, podendo levar à destruição óssea e cartilaginosa que podem resultar em deformidades irreversíveis. “Não existe uma causa específica, mas sabe-se que a quebra da tolerância imunológica, que é quando o corpo não reconhece as células como sendo próprias e passa a atacá-las, gera uma resposta inflamatória exagerada em indivíduos geneticamente predispostos”, diz.

Entre as principais consequências do tratamento tardio ou inadequado estão as limitações. “Pacientes que não sejam adequadamente tratados e que não mantenham a doença controlada, poderão ter graus variáveis de limitações incluindo limitações sociais, de lazer ou profissionais”, completa.

O tratamento da AR também evoluiu com o tempo, pois antes era feito basicamente com corticoides, analgésicos, anti-inflamatórios e drogas que já caíram em desuso devido à quantidade de efeitos colaterais e pouca eficácia. “Com o tempo, surgiram as drogas modificadoras do curso da doença (como metotrexato, Leflunomida, Hidroxicloroquina) e posteriormente os imunobiológicos, que são medicamentos derivados de material vivo como proteínas e ácidos nucléicos, que agem de maneira diferenciada, alcançando moléculas específicas causadoras da doença”, explica a especialista.

De acordo com a Dra. Marta Aline, com o tratamento adequado é possível controlar a doença. “O paciente é avaliado e, assim que fechado o diagnóstico, o tratamento deverá ser instituído. Os retornos devem ser periódicos, em intervalos de aproximadamente 90 dias, para que o reumatologista possa avaliar a resposta à terapêutica instituída, bem como detectar o surgimento de possíveis efeitos colaterais, ajustando o tratamento sempre que necessário, até atingir a remissão”.

Apesar das limitações, Ana Paula não desistiu de buscar a melhora na qualidade de vida. A mudança na medicação está trazendo um novo capítulo para o enfrentamento da AR. “Hoje, com a introdução de medicamento biológico no meu tratamento, ganhei em qualidade de vida. Foram quase 20 anos tomando prednisona. A vida não tem sido fácil nestes últimos anos, mas desistir nunca foi a minha escolha”.

No ensaio fotográfico em que ela posou para as lentes do fotógrafo Tácio Melo, no Palácio da Justiça, ela demonstra que a doença não tirou a beleza e o brilho da mulher, educadora e artista, que busca conviver da melhor forma e superar os obstáculos todos dias.

Fonte: A Crítica

Texto: Lucy Rodrigues

Artigos Relacionados

Fui diagnosticada com lúpus como eu nunca tinha ouvido falar, não consegui juntar as ideias na minha cabeça, só queria me livrar daquelas dores

Priscila Torres

Descobri a Artrite Reumatoide e com ela tenho altos e baixos

Priscila Torres

Não pare o tratamento, cada organismo é diferente.

Priscila Torres
Loading...