Procuro tocar a vida como Deus manda

A minha história começou em janeiro de 2017 com uma dor constante no punho esquerdo. Estranhei porque estava de férias na praia, sem fazer esforço algum. Então, não poderia ser LER. Essa dor evolui para o outro punho, depois para a almofadinha dos pés, ATM e pescoço. Mas era uma dor de chorar. Procurei a minha osteopata que no mesmo dia me disse: não perde tempo e procure um reumatologista, essas dores estão estranhas. Passei algumas manhãs acordando muito ruim, parecia um robô sem óleo. Fiz injeção de corticoide, sobrevivi por 20 dias quase sem dor. Nesse meio tempo, os exames foram todos feitos. Meu fator reumatoide deu 1000, e o máximo era para ser 80. Que susto! Estou muito doente! Era só o que pensava. Além de ter muito medo do futuro, de ser uma pessoa totalmente torta.

Enfim, fui para a reumato e ela começou o tratamento com corticoide de 5mg + MTX. Tomo 6 comprimidos toda segunda-feira. Sinto enjoo na quarta, mas procuro tomar o Vonau e tocar a vida como Deus manda. Hoje estou sem dor diariamente. Geralmente no domingo começo a sentir os punhos. Eles me lembram que preciso continuar a me tratar e que no outro dia preciso tomar todos os remédios semanais novamente. Ok! Já aceitei! Graças a Deus, respondi muito bem ao tratamento. Espero nunca mais sentir as dores que senti. Eu confio bastante na minha médica e procuro fazer o que tem que ser feito. Só ainda não consegui me organizar para fazer exercícios físicos. Mas logo farei. Preciso! Afinal de contas, preciso levar uma vida normal e a artrite não vai me impedir. Força a todas!

Me chamo Grazieli Pozo, tenho 39 anos, convivo com a artrite reumatoide há um ano, sou empresária, moro em Porto Alegre – RS.

Dor Compartilhada é Dor Diminuída“, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

“Conte a sua História”

www.artritereumatoide.blog.br/conte-a-sua-historia/
Doe a sua história!

Anúncios

Comentário

comentários

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.