Notícias

Os quatro principais fatores que disparam as dores de cabeça

O que muitas pessoas não sabem é que para combater a cefaleia crônica ou dor de cabeça não adianta recorrer apenas aos remédios. Muitas vezes, pelo contrário, o abuso de medicação torna-se parte do problema. Da mesma forma, o desânimo e a depressão alimentam o suplício. Estas são algumas das conclusões de uma extensa revisão de 27 estudos publicada no periódico científico Neurology. A meta análise apresenta pelo menos quatro fatores que comprovadamente servem de combustível à dor de cabeça.

Além da depressão e ansiedade e do uso inadequado de medicamentos, a falta de sono e o stress estão entre os principais estímulos. Estes fatores não só pioram a frequência e a intensidade das crises como contribuem para uma queda acentuada da qualidade de vida.

Os investigadores ponderam, porém, que, embora tais fatores liderem o ranking, existem outros que também fazem as crises de mal estar acontecerem. Ao todo a comunidade médica estima que existam cerca de 150 variedades de dor de cabeça. As mais comuns são a enxaqueca e a tensional. Ambas as condições são consideradas crônicas quando se manifestam 15 ou mais dias do mês por pelo menos três meses.

“A tensional tende a ser mais leve e caracteriza-se por uma pressão na cabeça, enquanto a enxaqueca é mais forte, latejante e pode vir acompanhada de náuseas e formigamento no corpo”, explica o neurologista Manuel Jacobsen Teixeira, da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, em entrevista à revista Super Interessante. O tratamento vai depender do tipo e das particularidades de cada indivíduo, sendo que os analgésicos auxiliam a atenuar as crises, e outras medicações de uso contínuo podem ser usadas para prevenir o sofrimento.

1) Ansiedade e depressão

“Existem alguns mecanismos no cérebro que suprimem a dor e são afetados tanto na depressão quanto na ansiedade. Desse modo, estímulos que antes não eram dolorosos passam a ser”, esclarece o psiquiatra Fernando Fernandes, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

De acordo com a investigação, pessoas ansiosas e deprimidas passam mais dias do mês com crises de enxaqueca, usam mais analgésicos e têm menor resposta a eles. Superar essas condições torna-se, portanto, um elemento essencial para combater a dor crônica.

2) Abuso de remédios

“O uso inadequado de analgésicos aumenta em 19 vezes o risco de uma dor esporádica se tornar crônica”, alerta Teixeira. O hábito de tomar algo mais de duas vezes por semana sem orientação pode contribuir para que o organismo ganhe tolerância a essas drogas.

“O abuso dos remédios chega a alterar o bom funcionamento do cérebro”, explica o especialista.

3) Stress diário

Praticamente tudo que está ligado ao comportamento e às emoções influencia o aparecimento da dor de cabeça quando há propensão para sofrer da condição. E, nesse ponto, a tensão sobressai.

De acordo com a meta-análise, dois dias seguidos de stress excessivo já contribuem para que a dor apareça. “Nessas situações de alteração do humor, há um impacto na libertação de substâncias que o cérebro usa para minimizar a dor”, aponta Teixeira.

4) Insônias

Bastam duas noites mal dormidas para catapultar o risco de um episódio de dor de cabeça. Outro aviso do estudo destaca não apenas a privação de sono, como também condições que atrapalham o poder reparador do repouso noturno. É o caso da apneia, marcada por roncos e interrupções temporárias na respiração, sendo que este problema é até duas vezes mais presente entre quem sofre de cefaleia.

Troca a noite pelo dia? Cuidado. Quanto menos horas na cama, mais intensa a tortura. Com base nas descobertas, os cientistas acreditam que dormir cerca de oito horas por noite, assim como tratar a apneia e insônias, afasta as manifestações dolorosas.

Fonte: Notícia – LifeTyle

Artigos Relacionados

Como se proteger da próxima temporada de gripe

Priscila Torres

Uma boa nutrição pode auxiliar no combate aos sintomas da artrose

Priscila Torres

Pacientes com fibromialgia podem perder a capacidade de manter atenção

Priscila Torres