O impacto da dor na minha vida

Eu trabalhava em dois empregos, das 7h as 15h faxinava uma casa diferente por dia, e das 15:30h as 23:00h trabalhava em um restaurante.  Sentia dores no punho, nos ombros e ao levantar da cama me sentia um robô, colocando óleo para funcionar tomava ibuprofeno varias vezes por dia toda vez que a dor aumentava. Depois de três anos assim, um dia não aguentei e fui ao hospital. Me engessaram mas parecia que doía mais o ombro. Perdi meu trabalho pois tinha crises horríveis e ficava nervosa com a dor. Um medico me pediu exame de sangue e foi aonde descobri a artrite reumatoide reagente, e desde então faço fisioterapia e tomo corticoide, quando fico algumas vezes sem remédio, tomo morfina no pronto socorro. Já não consigo fazer muita coisa em minha casa, no período da tarde eu estou tão cansada e sonolenta. Me irrito com muito barulho, deixo coisas caírem, muitas vezes não consigo segurar uma caneta. Vou fazer pericia com o laudo do medico, mas o perito não aprova pois meus exames ainda dão negativo.

Me chamo Andrea Aparecida dos Santos Oliveira, tenho 43 anos, convivo com artrite reumatoide há 7 anos, sou faxineira e cozinheira, moro em Canoas – RS.

Dor Compartilhada é Dor Diminuída“, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

“Conte a sua História”

www.artritereumatoide.blog.br/conte-a-sua-historia/
Doe a sua história!

 

 

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));