Nunca aceite o diagnóstico de que as dores fazem parte da vida de quem tem AR

Minha mãe começou com dores e inchaços nas articulações dos dedos das mãos com 50 anos, foram 3 anos de dores, idas frequentes aos ortopedistas sem diagnósticos e sem perspectivas de controlar as dores.

Hoje em dia ela ainda sofre bastante com dores, os dedos das mãos e pés totalmente tortas e acavalados sem nunca ter a informação que existia medicamento específico para AR. Já se passaram 14 anos usando apenas anti-inflamatório e corticoides prednisona, naproxeno e metrexato.

Nunca aceite o diagnóstico que as dores fazem parte da vida de quem tem AR. Meu nome é Andréia.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
%d blogueiros gostam disto: