Notícias

Nove são presos por roubo e desvio de remédios de alto custo

Mandados foram cumpridos em três Estados e no Distrito Federal

Nove investigados foram presos nesta quarta-feira, 31, por roubo e desvio de remédios de alto custo. A investigação é do Grupo de Apoio Especial de Combate ao Crime Organizado do Estado de São Paulo (Gaeco), do Ministério Público paulista, e começou em 2015.

O motorista Robson Eduardo Marques foi preso dentro do Hospital Emílio Ribas. Ele caiu em um grampo do Gaeco. No áudio, o motorista falou em desvio no Emílio Ribas e também no Hospital do Mandaqui. Robson tinha uma movimentação financeira incompatível com o salário.

O Gaeco identificou que o esquema furtava, roubava ou desviava medicamentos de alto custo de órgãos públicos e, em seguida, por meio de empresas de fachada, vendia os remédios a clínicas, hospitais e outros estabelecimentos de saúde. As transações eram feitas por meio de um escritório em Bauru. Segundo o Gaeco, os líderes do esquema atuavam neste local.

Os promotores afirmam que os medicamentos comercializados eram obtidos junto a pessoas físicas, e não perante distribuidoras regularmente autorizadas. Por isso, não estavam sujeitos à atividade do órgão fiscalizador, responsável pela qualidade, segurança e eficácia dos medicamentos, que muitas vezes precisam de armazenamento com controle de temperatura.

Por meio das vendas desses medicamentos a clínicas e hospitais, públicos e particulares, afirma o Gaeco, o esquema teve um faturamento total de R$ 8.217.534,34 entre setembro de 2014 e outubro de 2015 e de R$ 8.294.888,87 entre novembro de 2015 e maio de 2016.

As ordens judiciais de prisões e de sequestro de bens foram cumpridas em Araraquara, Guarulhos, São Paulo, Brasília, Colatina, no Espírito Santo, e Goiânia, em Goiás. Em Bauru e Osasco, houve cumprimento de mandado de busca. Os investigadores apreenderam medicamentos em quatro endereços.

A Corregedoria Geral da Administração, a Polícia Militar e os Gaecos do Distrito Federal, Goiás e Espírito Santos atuam em parceria com o Ministério Público de São Paulo nesta investigação.

A atuação conjunta da Corregedoria Geral da Administração deu-se em razão do envolvimento de funcionário público estadual. Houve diligências de fiscalização junto a hospitais públicos.

Passo a passo. Após o início da apuração, em 2015, o Gaeco denunciou 15 investigados por organização criminosa, por crime contra a saúde pública e receptação dolosa qualificada. Os alvos moravam nas cidades de Piratininga, Bauru, São Paulo, Campinas, Ribeirão Preto e Goiânia.

Na época, foram cumpridos 12 mandados de prisão preventiva e efetuadas buscas em 37 endereços, além da execução do sequestro de bens móveis e imóveis.

Os acusados na primeira fase da investigação respondem a processo perante a 3ª Vara Criminal de Bauru. Oito estão presos até hoje.

De acordo com o Gaeco, a partir de novos elementos de prova, outra investigação foi aberta em 2017. Os promotores identificaram 11 membros do mesmo esquema. Deste total, dez ocupavam a função de fornecedor de medicamentos de origem ilícita e um atuava como contador.

No fim do ano passado, o Gaeco apresentou nova denúncia ao Juízo da 3ª Vara Criminal da Comarca de Bauru, contra esses 11 novos membros por organização criminosa e por crime contra a saúde pública.

Na ocasião, foram deferidos o sequestro de bens, a prisão preventiva de nove denunciados e a realização de busca domiciliar. Para dois denunciados, a Justiça negou o sequestro e a prisão. Estas ordens judiciais foram cumpridas nesta quarta.

COM A PALAVRA, O HOSPITAL EMÍLIO RIBAS

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Informamos que o Instituto de Infectologia Emílio Ribas está contribuindo com as investigações da Corregedoria Geral de São Paulo e do Ministério Público.

Fonte: http://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/nove-sao-presos-por-roubo-e-desvio-de-remedios-de-alto-custo/

Artigos Relacionados

A nova guerra dos remédios, Medicamentos Biossimilares

Priscila Torres

“Dor insuportável”, diz vítima de chikungunya que adquiriu artrite crônica

Priscila Torres

Pesquisa da Ufop avalia se consumo de açaí pode prevenir artrite reumatoide

Priscila Torres
Loading...