Coronavirus Notícias

Nota Pública: CNS alerta sobre os riscos do uso da Cloroquina e Hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19

O documento publicado pelo Ministério da Saúde na quarta-feira (20/05) carece de respaldo técnico-científico para a indicação da Cloroquina e da Hidroxicloroquina na prevenção ou nos estágios iniciais da doença

O Conselho Nacional de Saúde (CNS) alerta sobre os riscos do uso da Cloroquina e Hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19. O Brasil e o mundo estão vivendo uma grave crise sanitária. Estamos diante de um inimigo novo e invisível, que está impondo ao povo brasileiro a convivência com casos alarmantes de mortes e de dificuldades concretas de atendimento no sistema de Saúde. Neste cenário, é compreensível, e até natural, que as pessoas busquem se apegar a possibilidade de uso de medicamentos que possam diminuir este sofrimento.

Ao mesmo tempo, a ciência tem corrido contra o tempo para desenvolver uma vacina e medicamentos que sejam efetivos e seguros na prevenção e tratamento da doença. Mas, até o momento, não existem evidências científicas robustas que possibilitem a indicação de uma terapia farmacológica específica.

Em meio a estas questões tão complexas, o Ministério da Saúde publicou, na última quarta (20/05), as “Orientações do Ministério da Saúde para tratamento medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da Covid-19”, que autorizam o uso de Cloroquina/Hidroxicloroquina para tratar sintomas leves da doença e amplia seu uso para todos os pacientes infectados.

O CNS é contra este documento do Ministério da Saúde, considerando os riscos do uso da Cloroquina e da Hidroxicloroquina no tratamento da Covid-19, tais como:

  1. O documento do Ministério da Saúde carece de respaldo técnico-científico para a indicação da Cloroquina e da Hidroxicloroquina na prevenção ou nos estágios iniciais da doença.
  2. Ainda existem lacunas de informação e conhecimento sobre o comportamento da Covid-19, tais como: as taxas de letalidade, potencial de transmissão, tratamento, existência de outros efeitos ou sequelas no organismo dos que foram infectados.
  3. Até o momento, os resultados de pesquisas têm demonstrado que a Cloroquina e a Hidoxicloroquina podem não ser eficazes para tratar pacientes de Covid-19, incluindo pacientes com sintomas leves. Na verdade, as pesquisas vêm demonstrando o surgimento de graves e fatais efeitos indesejáveis, incluindo problemas cardíacos. Aqui estamos nos referindo a publicações em revistas renomadas como a The New England Journal of Medicine, JAMA, The BMJ 1 e The BMJ 2.
  4. São necessários novos estudos robustos (randomizados, controlados e com um grande número de pacientes) para uma conclusão sobre o balanço favorável para a eficácia do tratamento e o potencial de riscos decorrentes do uso de qualquer medicamento e isso inclui a Cloroquina e a Hidroxicloroquina.
  5. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é possível que um médico queira prescrever um medicamento para um determinado paciente, mesmo que este medicamento não tenha sido aprovado para este uso. Porém, este uso deve ser analisado caso a caso, baseado em conhecimento e experiências clínicas. Quando essa prática é feita para pacientes graves e em ambiente hospitalar, é possível o monitoramento do paciente durante 24 horas por uma equipe de Saúde no caso de aparecerem efeitos colaterais.
  6. A avaliação dos pacientes para a indicação desses medicamentos requer a realização de anamnese, exame físico e exames complementares impactando ainda mais o sistema de Saúde, principalmente as unidades básicas de saúde e Upas. Muitas dessas unidades não possuem os equipamentos necessários para avaliar se um paciente pode ou não usar a Cloroquina ou a Hidroxicloroquina por causa do efeito colateral relacionado à arritmia cardíaca, por exemplo.
  7. O uso desses medicamentos como prevenção e nos casos leves da Covid-19 em ambiente ambulatorial, ou seja, quando o paciente leva o medicamento e se trata na sua casa, pode levar a situações onde, caso desenvolva um efeito colateral grave, o paciente não tenha tempo de ser devidamente atendido, podendo evoluir para um óbito que seria evitado sem o uso do medicamento.
  8. A possibilidade do desenvolvimento de efeitos colaterais graves, decorrentes do uso de Cloroquina ou de Hidroxicloroquina em pacientes leves, pode exigir uma internação que poderia não acontecer sem o uso desses medicamentos, acarretando a necessidade de mais leitos hospitalares.
  9. Mesmo não tendo seu efeito comprovado na prevenção ou tratamento da Covid-19, e com potencial de desencadear efeitos colaterais graves, o Ministério da Saúde, além de orientar o uso da Cloroquina e Hidroxicloroquina como medida de enfrentamento da pandemia, ainda transfere a pacientes e seus familiares, que se encontram numa situação de grande vulnerabilidade, a responsabilidade sobre a decisão de uso ou não desses medicamentos e suas consequências, por meio do “Termo de Ciência e Consentimento Hidroxicloroquina/Cloroquina em associação com Azitromicina para Covid-19”, apresentado no documento de orientações do Ministério da Saúde.

Fonte: Conselho Nacional da Saúde 

Related posts

Cientistas descobrem por que as mulheres sentem mais dor do que os homem

Priscila Torres

Treinamento técnico em enfermagem com bolsa da FAPESP

Priscila Torres

O lúpus atinge mais de 5 milhões de pessoas no mundo

Priscila Torres
Loading...