Me reconheço como vitoriosa e aprendo a viver e conviver com minhas limitações todos os dias.

Quando tinha uns 15 anos, minhas mãos e joelhos começarão a doer e inchar. Fiz tratamento com um clínico geral durante 3 anos usando benzetacil. No começo ajudava, mas depois de um determinado período, piorou as dores, e tive uma queda de cabelo intensa. Fui para um reumatologista. Então tive o diagnóstico de Lúpus. Iniciei o tratamento usando corticoide e cloroquina. Nunca mais fiquei sem sentir dor.

Também descobri um hemangioma e alterações de algumas enzimas do fígado. Depois de anos, chegou os imunológicos, e iniciei tratamento com tocilizumabe que fez com que a doença entrasse em remissão. Usei por anos, até que as dores pioraram muito, alguns dedos ficaram tortos.

Hoje meu diagnóstico é de síndrome de sobreposição (lúpus e artrite reumatoide). Usei leflunomida (arava) e não resolveu muito. Então usei rituximabe e meu fígado piorou muito e as dores estão fortíssimas. Estou tomando leflunomida novamente até chegar o período do pico do rituximabe.

Não conheço mais o que é ficar sem dor e sem tomar nenhum medicamento.

Meu nome é Leandra. Somos muito especiais. O cara lá de cima, só põe em nossas vidas, o que damos conta de vencer. Vencemos todos os dias.

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

É simples, preencha o formulário no link http://ow.ly/gGra50nFGJp

Doe a sua história!

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Que tenhamos sempre Paciência e Fé em Deus!

Aos 24 anos, fui diagnosticada com psoríase, além das lesões, no corpo, que me deixavam deprimida pelo aspecto de feridas, que não cicatrizam, todas...

Pare de testar sua doença

Eu aposto que você já quis parar o remédio só para ver se não precisava mais dele. E se você fez isso, aposto que se...

Obesidade deve ser tratada com a mesma seriedade que a artrite reumatoide

A obesidade é uma doença que deve ser tratada, com a mesma seriedade que tratamos a artrite reumatoide. Convivo com AR há 15 anos...