Maconha medicinal não funciona para dor crônica, diz estudo

Alguns pacientes que consumiram a erva durante a pesquisa apresentaram piora no quadro

O uso de opiáceos, uma classe de drogas comumente prescrita para tratar a dor, tem sido um problema por causa de seu alto risco de causar dependência química e física. Com isso, a maconha medicinal se mostrou um substituto, causando os mesmos efeitos sem provocar danos sérios à saúde. Entretanto, um novo estudo mostrou que a solução para algumas doenças não é tão fácil assim.

O estudo liderado por Gabrielle Campbell no Centro Nacional de Pesquisas sobre Drogas e Álcool, da Universidade de New South Wales, recrutou para a pesquisa 1.514 adultos de toda a Austrália que sofrem com dores crônicas.

O resultado comprovou que, durante um período de um ano, pessoas com dores crônicas não relacionadas ao câncer e que usaram cannabis, não melhoraram da dor em comparação com os pacientes analisados que não usaram a erva.

Na análise, pesquisadores observaram os diferentes estilos de vida, fatores psicológicos e a autoeficácia de dor – que demonstra a capacidade do paciente de realizar atividade mesmo com dor. Desta maneira, os voluntários do estudo que usavam maconha apresentaram menor autoeficácia de dor, tendo assim atividades diárias mais prejudicadas.

Contudo, a discussão sobre os resultados da pesquisa não estão completamente encerrados. Os responsáveis acreditam que os pacientes usuários de maconha já estivessem mais aflitos com a dor e apresentassem taxas mais altas de ansiedade.

Vale ressaltar que o estudo foi realizado antes da maconha medicinal ser legalizada na Austrália. Isso prova que os usuários precisaram recorrer a formas ilícitas, podendo ter acesso a uma erva pior, que não tenha sido projetada especificamente para tratar a dor.

O que é dor crônica?

A dor é uma resposta de defesa do organismo, mas ela também pode funcionar de maneira errada ou exagerada caracterizando uma doença: a dor crônica. Quando o cérebro interpreta que a dor não está sendo “resolvida” ele fica ainda mais “sensível” aos estímulos da dor, captando-os de forma mais intensa.

O recrutamento de um outro sistema nervoso chamado autonômico, faz com que a dor fique ainda mais “enraizada” e de difícil resolução. O sistema de dor também pode ficar doente, gerando as dores crônicas. Veja o que fazer quando o sintoma se torna uma doença, clicando aqui!

Fonte: Minha Vida

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));