Impactos da pandemia para as pessoas com Doenças Crônicas e Patologias será tema da live no CNS

O encontro virtual do Comitê do CNS de acompanhamento da Covid-19 será transmitido ao vivo na quarta-feira (22/7), às 17h, pelo Facebook e Youtube

A falta de medidas efetivas de proteção à saúde e planos de apoio às pessoas com doenças crônicas e outras patologias, durante a pandemia da Covid-19, serão temas da próxima live do Conselho Nacional de Saúde (CNS) na quarta-feira (22/7), às 17h, com transmissão pelo Facebook e Youtube.

Desde o início da pandemia o CNS tem manifestado preocupação com a ausência de medidas protetivas para esta população. A infecção por Covid-19 em pessoas com doenças crônicas e patologias pode representar em torno de 25% a 50%, sendo que estes pacientes apresentam maiores taxas de mortalidade devido à dificuldade de recuperação dos sintomas graves.

Para debater o assunto, participarão da live do CNS o diretor do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis (DCCI/SVS) do Ministério da Saúde, Gerson Pereira, a secretária de Articulação Política da Articulação Nacional de Luta contra a Aids (Anaids), Carla Almeida e a coordenadora da BioRede Brasil (Biored), Priscila Torres. O programa será mediado pelo conselheiro nacional de saúde Artur Custódio, que representa o Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (Morhan) no CNS.

O programa também terá representações dos segmentos de gestores, usuários e trabalhadores do SUS, com as participações de Maíra Botelho, diretora do Departamento de Atenção Especializada e Temática, da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Fróes, conselheiro nacional de saúde pela Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (Abrale) e Laís Souza, representante da Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia (Abenfisio) no CNS, respectivamente.

Em abril, o Conselho solicitou ao Ministério da Saúde a apresentação de um plano de apoio para estas pessoas, com o objetivo de reduzir o risco de desenvolvimento de comorbidades e óbitos. O que se tem observado a cada dia são as dificuldades de acesso ao tratamento, baixo diagnóstico, falta de medicamentos e fechamento de atendimento ambulatorial de diferentes especialidades.

Entre as medidas efetivas de proteção à saúde das pessoas com doenças crônicas e patologias, recomendadas ao Ministério da Saúde, estão: testagem prioritária, alternativas ao acesso de medicamentos com a estratégia de fornecimento ampliado (para dois ou três meses), enquanto durar o período de isolamento social e construção de protocolos específicos de atendimento a esta população.

Essas estratégias devem ser voltadas às pessoas com HIV/Aids, câncer, celíacos, hanseníase, lúpus, doença falciforme, esclerose múltipla, doenças reumáticas, alzheimer, síndrome de down, Transtorno do Espectro Autista (TEA), diabetes, cardiopatas, transplantados, doenças raras, entre outras.

Este é o 9º encontro virtual organizado pelo Comitê do CNS de acompanhamento da Covid-19 com transmissão ao vivo.

Mais informações

O quê? Live do Comitê para Acompanhamento da Covid-19 do CNS: Pela Vida das Pessoas com Doenças Crônicas e Patologias
Quando? Quarta-feira (22/7), às 17h
Onde? Youtube e Facebook do Conselho
https://www.youtube.com/watch?v=tOj5xNEU6Uc e
https://www.facebook.com/ConselhoNacionalDeSaude/videos/263568371613016/

Contato: (61) 99671-1485, com Laura Fernandes

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Que tenhamos sempre Paciência e Fé em Deus!

Aos 24 anos, fui diagnosticada com psoríase, além das lesões, no corpo, que me deixavam deprimida pelo aspecto de feridas, que não cicatrizam, todas...

Pare de testar sua doença

Eu aposto que você já quis parar o remédio só para ver se não precisava mais dele. E se você fez isso, aposto que se...

Obesidade deve ser tratada com a mesma seriedade que a artrite reumatoide

A obesidade é uma doença que deve ser tratada, com a mesma seriedade que tratamos a artrite reumatoide. Convivo com AR há 15 anos...