Notícias

Grupo terapêutico promove tratamento para mulheres diagnosticadas com fibromialgia em Goiânia

Dores intensas em várias partes do corpo que provocam fadiga, distúrbios do sono e episódios depressivos. Esses são alguns dos sintomas narrados por quem é diagnosticado com fibromialgia. A doença, que é silenciosa, não é detectada em exames laboratoriais e, às vezes, não causa nenhuma transformação externa na pessoa.

Pensando no tratamento de pacientes diagnosticadas com a doença, o Hospital Estadual de Dermatologia Sanitária e Reabilitação Santa Marta – HDS, unidade da SES-GO, promove, há mais de dois anos, o grupo terapêutico Mulheres de Fibra.

Uma vez na semana, durante uma hora, cerca de 25 mulheres diagnosticadas com fibromialgia se reúnem na Casa Viva para a sessão terapêutica em grupo com a psicóloga Larissa Arantes de Melo. O encontro semanal ajuda pacientes como dona Judit Rosa dos Santos, de 55 anos, a superar a depressão causada pela doença.

“Quando comecei a frequentar o grupo estava totalmente desiludida da vida, querendo morrer, não conseguia achar uma saída para minhas dores e minha tristeza. Hoje, com minhas colegas de grupo, aprendi a lidar com meus problemas e com a doença. Agora, posso dizer que aprendi a viver feliz com minha dor”.

A origem da doença ainda não é totalmente conhecida, mas a psicóloga acredita que o fator emocional tem uma relação intrínseca com a fibromialgia. “Todas as mulheres que participam do grupo têm um perfil psicológico muito parecido. Normalmente, elas enfrentam os mesmos problemas pessoais. Por isso, na terapia em grupo trabalhamos a troca de experiências e o emocional das pacientes, tornando-as empoderadas e fortalecidas emocionalmente”.

Antônia Elizabethe Castro Silva, de 66 anos, frequenta o grupo Mulheres de Fibra desde o início de sua formação. “Quando comecei a frequentar a terapia eu tomava 18 comprimidos por dia, hoje só tomo medicamento para controlar minha pressão. Participo do grupo Mulheres de Fibra, faço educação física e, graças a Deus e aos profissionais do HDS, estou vencendo minha doença. Saber que não estou sozinha no enfrentamento das dores e da doença me ajuda e me fortalece”.

Fonte: E mais Goias

Artigos Relacionados

Governo encaminha à ANS proposta de plano de saúde popular

Priscila Torres

Esclarecimento da Sociedade Brasileira de Reumatologia sobre aparelhos para combater dor em Fibromialgia

Priscila Torres

Juiz nomeia defensor público porque advogado não podia subir escadas

Priscila Torres
Loading...
if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));