Notícias

Especialista esclarece os mitos e verdades do infarto

As doenças cardiovasculares (DCV) são a principal causa de morte no mundo, sendo dentre elas, o infarto agudo do miocárdio (IAM) a principal. Estima-se que em 2015, 17,7 milhões de pessoas morreram por essas afecções, sendo 7,4 milhões por doenças coronarianas. Em novembro, o dono da voz mais marcante das transmissões esportivas, Galvão Bueno não se sentiu bem enquanto passeava na cidade de Lima, capital do Peru. O profissional de 69 anos sentiu dores no peito e entrou no hospital com um quadro de infarto e passou por um cateterismo.

Carolina Novoa Enfermeira especialista em Cardiologia da UNIFESP e Consultora em Saúde da E- UPDATE, explica que o Infarto do miocárdio- popularmente conhecido como ataque cardíaco, geralmente são eventos agudos e normalmente ocorrem por uma obstrução nas coronárias, decorrente do acúmulo de gordura nas paredes internas dos vasos que irrigam o coração. Essa obstrução, que pode ser parcial ou total, limita o fluxo de sangue para o músculo cardíaco, resultando em danos, muitas vezes, irreversível.

A boa notícia, é que o infarto pode ser prevenido por meio da abordagem de fatores comportamentais de risco.

Abaixo, a especialistas desmistificou alguns mitos e verdades sobre o infarto.

MITO OU VERDADE: Todos os casos de infarto causam dores no peito.

MITO. O quadro clinico mais comum é a dor no peito de forte intensidade tipo aperto, pontada ou queimação, podendo irradiar para o pescoço, braço esquerdo, região do estômago e costas. Entretanto, há casos em que o infarto pode causar apenas dor nas costas ou dor na região do estômago. Esse quadro atípico é mais comum em mulheres, idosos e portadores de diabetes mellitus.

MITO OU VERDADE: Caminhadas são boas para o coração.

VERDADE. Qualquer atividade moderada feita por pelo menos 20/30 minutos sem interrupção é indicada. Portanto, mexa-se, ande, dance, faça qualquer atividade física que não sobrecarregue o coração. O ideal são 150 minutos de atividade física moderada por semana.

Distribua esses minutos conforme sua conveniência.

MITO OU VERDADE: Os homens enfartam mais que as mulheres.

PARCIALMENTE VERDADEIRO. O infarto é mais comum nos homens até os 45-50 anos. Após essa idade, o infarto passa a ser mais comum nas mulheres em decorrência da alteração hormonal que ocorre com a menopausa.

Mito ou Verdade: Não preciso abandonar o cigarro! Apenas reduzir o número de cigarros consumidos por dia é suficiente.

MITO. Não tem jeito, é necessário abandonar por completo o cigarro. A nicotina causa estreitamento das artérias e outros compostos causam lesão do revestimento destes vasos, deixando-as mais vulneráveis para o depósito de gordura.

MITO OU VERDADE: Subir escadas e ser atleta de final de semana pode ser considerado como atividade benéfica para fortalecer o coração.

MITO. A necessidade súbita do coração em trabalhar mais rápido e mais forte sem estar condicionado, o deixa sobrecarregado e fadigado, além de contrair os vasos, limitando ainda mais o fluxo de sangue nas coronárias.

MITO OU VERDADE: Fazer meditação, relaxamento e/ou ouvir música controlam o estresse e diminuem a chance do coração infartar.

PARCIALMENTE VERDADEIRO. O alívio do estresse ocorre quando fazemos alguma atividade prazeirosa. Caso você sinta prazer em fazer essas atividades, sem dúvida elas reduzirão o seu estresse. Agora, se essas atividades te causam irritação ou sensação ruim, fuja delas. Descubra alguma atividade que te dê prazer e a insira no seu dia-a-dia. Vale dançar, acariciar ou brincar com seu Pet, ler um livro…enfim, você que a determina.

MITO OU VERDADE: Pessoas magras não infartam.

MITO. Por serem magras, não possuem a obesidade como fator de risco para doença, no entanto, existem outros 13 fatores que devem ser investigados. O fato é: quanto menos fatores de risco um indivíduo possuir, menor a chance de sofrer um infarto.

MITO OU VERDADE: Portadores de hipertensão, diabetes, obesidade e/ou colesterol ruim elevado são mais propensas ao infarto.

VERDADE. Quando pensamos em infarto, pensamos em fatores de risco para que este evento ocorra. Neste contexto, temos os fatores de risco não modificáveis (idade, gênero, raça e herança familiar) e os fatores de risco modificáveis. Hipertensão, diabetes, tabagismo, obesidade, sedentarismo, alimentação inadequada, ingestão excessiva de álcool, estresse e hipercolesterolemia são fatores de risco modificáveis, isto é, aqueles que podem ser controlados por alteração no estilo de vida. Esses fatores facilitam o depósito de gordura nas artérias e o seu estreitamento. Controlar esses fatores è primordial quando falamos na prevenção do infarto.

SOBRE CAROLINA NOVOA

  • Mestrado pela Universidade de São Paulo
  • MBA Executivo em Saúde pela Fundação Getúlio Vargas
  • Especialização em cardiologia e graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de São Paulo
  • Membro da Equipe de Pesquisa da Gastrocirurgia do Hospital do Rim
  • Enfermagem e Docência com ênfase em Enfermagem Das Seguintes áreas: Cardiologia, Enfermagem médico-cirúrgica, Unidade de Terapia Intensiva e Gestão em Enfermagem. Docente do departamento da saúde da Universidade São Judas.
  • Consultora em Saúde (Cardiologia) da E-update – Cursos, Treinamentos e Consultoria em Saúde.

E-UPDATE Consultoria em Saúde

Empresa educacional destinada a capacitar profissionais e estudantes na área de saúde com cursos dinâmicos de fácil compreensão e utilização prática com ensino presencial e a distância. A E-UPDATE Consultoria em Saúde, possui equipe qualificada e especializada em: Saúde da Mulher, Terapia Intensiva, Saúde do Adulto, Cardiologia e Emergência, Saúde do Idoso, Saúde da Criança e Lesões de Pele. Os especialistas são certificados para aplicar cursos presenciais, consultoria, treinamento de equipe com objetivo de capacitar profissionais para promoção de assistência de qualidade.

Fonte: Assessoria de imprensa.

Related posts

Jornada de reumatologia aponta avanços na remissão das doenças

Priscila Torres

Programas de fidelidade oferecem descontos de até 65% em remédios

Priscila Torres

Rapidez no diagnóstico da artrite evita deformações

Priscila Torres
Loading...