Notícias

Dor nas pernas: descubra qual pode ser a origem

A dor nas pernas, mal localizada, não traumática, e recorrente ou persistente, é queixa clínica comum no consultório de reumatologia. A ela se refere condições que provocam sintomas desconfortáveis variados, situados em área ampla, do quadril até a parte final das pernas. É extremamente importante a observação do paciente aos seus sintomas, já que grande parte do diagnóstico pode ser facilitado por essa medida.

O desconforto pode ser originário de condições relacionadas ao aparelho musculoesquelético, vascular, neurológico ou mesmo fazer parte de condições de dores difusas crônicas.

Origem musculoesquelética:

– Dor melhor localizada
– Pode se concentrar próxima de áreas articulares
– Pode piorar no início ou ao longo de exercícios
– Repouso costuma melhorar
– Dor pode piorar com palpação de regiões definidas
– Costuma melhorar com analgésicos e anti-inflamatórios

Origem vascular venosa ou linfática

– Dor mal localizada
– Peso nas panturrilhas
– Piora no final do dia
– Piora em longos períodos em pé
– Costuma melhorar com elevação pernas
– Inchaço pouco doloroso nos tornozelos
– Presença de varizes
– Pele acastanhada nas pernas e tornozelos

Origem vascular arterial

– Dor mal localizada
– Pior nas partes mais baixas da perna e panturrilha
– Dor aparece quase sempre ao caminhar
– Piora com marcha mais acelerada
– Melhora rapidamente com a interrupção da marcha
– Extremidade dos dedos dos pés pálida ou arroxeada
– Perda de pêlos e pele brilhante nas pernas
– Presença de doença cardíaca e cerebral

Origem neurológica

– Dor mal localizada
– Sensação de queimação, choques, ardência, agulhadas, formigamento
– Pode haver dor lombar associada
– Redução da sensibilidade dos pés
– Perda de chinelos na marcha

Síndrome dolorosa difusa

– Sensação de “carne dolorida” em todo o corpo
– Prejuízo do sono, cansaço, perda de memória
– Humor deprimido ou nervosismo
– Piora com o frio
– Sensibilidade ao toque em diversas áreas musculares

Após essa etapa bem executada, baseada em minuciosa observação dos sintomas relatos pelo paciente e exame médico clínico, podem ser necessários alguns exames complementares. Esses são bastante variados e devem ser direcionados para as hipóteses principais.

Fonte: Panorama Farmacêutico.

 

Related posts

FESCA alerta: Doentes com esclerodermia mais vulneráveis face à Covid-19

Priscila Torres

Situação do Metotrexato no Brasil

Priscila Torres
Loading...