Conheçam a história da Erica, abandonar o tratamento não é legal!

O que dizer meus amados, sou feliz, estou viva. Sinto muitas dores sim mas a alegria suaviza a dor. Descobri que tinha AR aos 17 anos quando sentei de não conseguia levantar do chão. Marquei com um ortopedista que pediu um exames de fechou o diagnóstico. Confesso que fui desleixada por algum tempo, porque não é fácil convencer para uma adolescente a se entupir de remédios. Ai me entupi em bebida, bebia todo dia e muito viu. Depois da bebida achei uma coisa melhor que bebida a maconha. Fumava pra caramba o dia inteiro pra amenizar as dores. Me casei com 24 anos tenho três filhos e acreditem fumei maconha até os trinta. Até que a AR se agravou por falta de tratamento minhas articulações ficaram comprometidas principalmente mãos e punhos. Estão literalmente tortas. Comecei a correr atras de médicos tomei tudo que você possa imaginar pra artrite e parei com a maconha e a bebida. Também parei com o cigarro. Sou feliz porque além da AR tentar acabar comigo eu quase acabei comigo. Hoje sou formada em Biomedicina e sabe porque, pra descobrir mais a respeito do meu problema de saúde. Tirei dez no meu trabalho de conclusão de curso “Alterações ósseas com uso prolongado de corticoides”.
A maconha só me trouxe Síndrome do Pânico e agravou a AR.
O cigarro quase me mata e a bebida, pois confesso que adoro um vinho, mas hoje não bebo nada mesmo. Agora se você está pensando em fumar um pra parar a dor lembre do meu depoimento sei muito bem que vai ter que fumar um a cada uma hora pra não sentir dor.
Acorda né é muito melhor ir ao médico e fazer o tratamento. Eu ainda acredito que posso correr na SÃO SILVESTRE. Você duvida? Olha hem, tudo é possivel aquele que crê! É só acreditar.
Erica M. L (38 anos)

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));