Várias publicações da Faculdade de Medicina de Harvard lidam com aconselhamento para obter-se qualidade de vida (www.health.harvard.edu). Inclusive na maturidade. Veja a seguir os 6 conselhos para você que está com mais de 65 anos de idade.

Adapte sua moradia. Escadas, banheiros e cozinhas apresentam armadilhas constantes. Mesmo se não há necessidade de fazer mudanças já, revise anualmente itens como piso escorregadio, tapetes soltos, pontos mal iluminados e falta de apoio em escadas. Você poderá estar preparado para despesas com reformas necessárias quando sentir necessidade.

Previna quedas. Quedas são problema muito sério para pessoas de mais idade — elas muito frequentemente resultam em fraturas que podem levar a várias dificuldades físicas, a outros problemas de saúde, ou mesmo à morte. Medidas preventivas são importantes, bem como exercícios de balanço e força.

Considere todas as possibilidades de moradia. Sua casa ou apartamento pode ser o ideal para a idade mais avançada, inclusive com a saudável convivência de familiares ou pela posição de cada móvel e objeto que facilitam sua orientação.

Porém considere as possibilidade de lares para idosos, residenciais geriátricos e outras formas de moradia. Mesmo sem doenças mais importantes, principalmente quadros crônicos e demenciais, mais e mais estamos vendo projetos de moradia diferenciada aparecendo nas maiores cidades e suas áreas geográficas de influência.

Conviva com seu grupo de amizades. Todas as pesquisas mais recentes associam longevidade com a convivência social da pessoa. Este é o fator isolado considerado como mais importante para se chegar a 100 anos de idade ou mais. Participe de grupos com iguais interesses: costuras, filantropia, cozinha, animais de estimação, centros de apoio espiritual, hobbies e tantos outros em sua comunidade.

Pense à frente sobre como obter auxílio em caso de necessidade e urgência. Quem fará suas refeições, como ter meio de transporte à disposição, quem fará os reparos simples e complexos da casa, qual a melhor maneira de resolver a limpeza dos aposentos e como serão feitos os pagamentos das contas domésticas são perguntas rotineiras a serem respondidas.

Mais provavelmente em conjunto com outros membros da família ou com alguma amizade mais próxima. Muito importante, planeje-se para emergências – quem chamar? qual pessoa visita sua casa regularmente? o que fazer caso sofrer uma queda e não puder se deslocar até o telefone?

As dicas aqui são: mantenha números de telefone de emergência perto do telefone, ande sempre com seu telefone celular à mão e, se suas finanças permitirem, invista em um sistema de alarme personalizado (colar com botão de alarme/pânico ou com sistema que detecta quedas e disca números de emergência previamente estabelecidos).

Escreva diretrizes sobre cuidados avançados. Sente-se e pense com cuidado sobre que tipo de cuidados médicos e de enfermagem avançados você gostaria de ter caso fique muito doente, confuso ou com alguma lesão que não permita expressar seus desejos.

Escreva e assine, deixe o documento com adultos em quem você confia, quem sabe até mais de uma cópia. Escreva e registre seu testamento em cartório, pode ser seu último ato de bondade para com a família ou entes queridos.

Fonte: Dr Von Muhlen

Artigo anteriorTalvez se eu tivesse sido diagnosticada na minha infância
Próximo artigoUnifesp busca pessoas com dores na face, coluna e pescoço
Dr. Carlos Von Mühlen Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1978), mestrado em Medicina: Ciências Médicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1985) e doutorado em Medicina na Rheinisch-Westfälische Technische Hochschule/Aachen, Alemanha (1987). Pós-Doutorado no The Scripps Research Institute em La Jolla, Califórnia (EUA, 1992-1994). Tem larga experiência na área clínica e em medicina laboratorial, com título de especialista em Reumatologia (Conselho Federal de Medicina), Patologia Clínica (Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial) e Medicina do Trabalho (FUNDACENTRO, Brasília). Durante 21 anos foi professor na Faculdade de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do RS, onde chegou ao cargo de Professor Titular de Reumatologia e Medicina Interna. Também atuou por 6 anos como Professor Visitante do Curso de Pós-Graduação em Medicina, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Faculdade de Medicina da UFRGS, como responsável pelas disciplinas de Imunologia Básica e Imunologia Clínica. Foi Presidente do Grupo de Pacientes Artríticos de Porto Alegre, GRUPAL (RS) entre 2004 e 2010, primeiro grupo de auto-ajuda para pacientes reumáticos fundado no Brasil (1984), atualmente com título de Filantropia Federal. Atuou como Diretor da Unidade de Pesquisa Clínica em Reumatologia por mais de 11 anos no Hospital São Lucas da PUCRS. Foi Diretor Técnico do METANALYSIS Centro de Diagnósticos Médicos e da RHEUMA Clínica de Doenças Reumáticas entre 1984 e 2013, além de Diretor Técnico da GMK Diagnósticos entre 1989 e 2012. Presidente da SOBRAU – Sociedade Brasileira de Autoimunidade, gestão 2012/2017. Tem centenas de publicações científicas e é ativo palestrante no Brasil e no exterior, com capítulos nos mais importantes livros-texto de Reumatologia e Imunologia, principalmente nas áreas de clínica de artrites e reumatismos, doenças autoimunes, determinação de autoanticorpos e biomarcadores, incluindo metabolismo ósseo e osteoporose.

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.