O medo e a alegria numa mistura intensa dentro de mim – Desafio de ser mãe com artrite reumatoide

Tudo começou com dores nos joelhos ao subir degraus, dor nas mãos com um simples cumprimento daí para ficar quase sem andar foi muito rápido. Doía o corpo todo, várias articulações comprometidas e nas idas e vindas ao hospital veio a descoberta da gravidez tão esperada, da AR e um divórcio. O medo e a alegria numa mistura intensa dentro de mim, dificuldade para andar e dores intensas deram então início a uma luta até o momento inimaginável pra mim. Tramal, paracetamol e doses altas de corticoides, edemas, manchas na pele, queda de cabelo e dor, sempre a dor a me acompanhar. Mas ali dentro de mim existia um ser que me acalentava e me dava esperança. E essa esperança me fortalecia, até que com 38 semanas meu Arthur veio ao mundo depois de quase 12hs em trabalho de parto.

Pesando 2.005 kg e 44 cm, fazendo hipoglicemia foi para UTI neo. Foi então que falei para Deus que eu não tinha sofrido até ali para perder meu tesouro. Ele foi melhorando, ganhando peso e amamentei por 5 meses só então comecei o tratamento com biológico. Andei de muletas, usei órteses e muito corticoide e hoje posso garantir que passaria por tudo novamente se preciso fosse para ver o sorriso do meu filho tão pequeno e tão amado. Não posso deixar de agradecer a minha família e amigos que me ajudaram e ajudam até hoje principalmente meus pais.

Me chamo Ana Paula, tenho 38 anos e vivo com AR há 06 anos. 

Se você tem alguma experiencia para contar sobre a maternidade na artrite reumatoide, participe, envie sua história e uma foto para encontrar@encontrar.org.br, incentive e inspire outras mães e futuras mamães!

Anúncios

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de Artrite Reumatoide aos 26 anos, enquanto atuava como enfermeira, estava acostumada a lidar com a dor, porém, a dor dos outros. De repente a dor passou a ser minha companheira. Troquei o cuidar assistencial pelo cuidar informacional e escrevi o Blog Artrite Reumatoide, para compartilhar a minha dor, aprendi então, que Dor Compartilhada é Dor Diminuída. Hoje sou “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde e uma eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Se você gostou dessa publicação, nos incentive a continuar, deixe seu comentário!