O apoio de familiares e amigos é fundamental

Me chamo Diogo Soares, estudante de Biologia, tenho 30 anos, sou carioca, residente no Rio de Janeiro. Desde abril/2012 estou em casa, de licença, devido a artrite reativa contraída após uma infecção intestinal não tratada. É engraçado que a gente nunca imagina ser acometido por tal doença. Eu mesmo nunca tinha ouvido falar em Artrite reativa. Mas no começo dos sintomas, eu recorri à internet e descobri muita coisa.

Com certeza foi a pior fase da minha vida. A inflamação atingiu tanto meus membros superiores e inferiores. Eram dores muito fortes! Foi um desgaste na minha vida: emagreci muito, tive lesões na pele e mucosas, dependia constantemente de ajuda e ainda vivia assombrado em depressão. No começo quebrei muito a cabeça até conseguir consulta com um Reumatologista. Foram 3 meses de tratamento sem melhora significativa (foi me receitado antibiótico e anti-inflamatório). Mudei de médico.

Hoje já me sinto bem melhor, estou me tratando apenas com sulfassalazina e as dores estão em menor intensidade. Devo ficar com um dedo torto, mas tudo bem. Meu desejo maior é voltar a minha vida normal. Nessa hora, o apoio de familiares e amigos é fundamental. Existe sim vida após a artrite!

“Dor Compartilhada é Dor Diminuída”, conte a sua história e entenda que ao escrever praticamos uma autoterapia e sua história pode ajudar alguém a viver melhor com a doença!

“Conte a sua História”

www.artritereumatoide.blog.br/conte-a-sua-historia/
Doe a sua história!

Jornalista

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

×
Jornalista Grupar EncontrAR

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Anúncios

Comentário

comentários

8 Comentários

  1. Fui diagnosticada hoje, 25/03/2013, com Artrite reativa na forma crônica. Gostaria de saber mais sobre a doença, e se existe algum blog como este para essa doença.

  2. eu ainda to me recuperando dessa artrite reativa (sindrome de reiter) essa doença é muito ruim. eu peguei essa doença através de uma clamydia (DST), o culpado foi eu mesmo de não ter usado preservativo na hora H, tem uns 3 mês que fui diagnosticado, a reumatologista ela me receitou varias medicações e hoje já me sinto bem melhor graças a meu bom deus. e logo logo eu ficarei muito melhor do que estou agora. atenção galera usem camisinha não se esqueçam, é fundamental, eu não quero que aconteca o mesmo que aconteçeu comigo, essa doença é uma praga na vida do ser humano. abraçossss…. se cuidem, fiquem com deus…

  3. Oi Pryscila,
    Inesquecível 2013 !!
    Fevereiro de 2013 iniciei com sinais e sintomas apos uma infecção intestinal pesadíssima e apenas em março fui diagnosticada com artrite reativa. Hoje, depois de meses muito ruins de dores intensas e total dependência ate para abrir uma tampa de pasta de dente, sigo medicada porem com pequenas dores nos locais mais afetados somado a um leve inchaço. Por ser uma síndrome que só vim a conhecer depois de experimenta-la, sinto muito necessidade de conhecer/contactar alguém que já passou por isso ha algum tempo para saber como ficou depois de alguns poucos anos. Sou uma pessoa de muita fé mas esse uso prolongado de medicamentos tao fortes tem me deprimido e me deixado insegura. Estava programando ate um bebe para esse fim de 2013 mas todos os planos estão sendo revistos, inclusive os profissionais. Sempre fui muito sensível e me considero ate mesmo emotiva demais. Estou tento q reavaliar todo minha forma de relacionar-me com tudo e todos pois qualquer abalo emocional sinto que o joelho, o dedo e tornozelos começam a doer um pouco e ate um leve inchaço posso perceber. Tipo o peixe baiacu. Começo a inflar!! Para as próximas semanas devo começar a desmamar das medicações e fico imaginando se tudo não vai acabar voltando sempre que meu lado baiacu de sentir ameaçado. Seria possível me colocar em contato com alguém que já teve essa síndrome? Desde já lhe agradeço e te deixo um forte abraço fraternal. Muita Luz. Silvia

Olá, deixe um comentário!