Lúpus na infância: inchaço nas articulações e sangue na urina são sintomas

O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença crônica relacionada a alterações do sistema de defesa do organismo (sistema imunológico). As células que deveriam defender de bactérias, vírus e outros agressores passam a não reconhecer o organismo e atacar o próprio corpo. Isso leva a uma reação inflamatória que afeta articulações, pele, mucosa (boca e nariz), rim, coração, pulmão, cérebro e outros órgãos além das células do sangue.

– O que causa o lúpus?
A causa do lúpus ainda é desconhecida, mas sabe-se que alterações hormonais (na puberdade), exposição ao sol (luz ultravioleta), infecções e estresse emocional podem desencadear a doença. Um componente genético leva o paciente a responder inadequadamente aos fatores desencadeantes.

doenas-na-infancia

– Quais são as manifestações do lúpus?
O lúpus pode começar de uma maneira bem lenta com febre, falta de apetite, perda de peso, cansaço, dor e inchaço nas articulações e alterações na pele (como bochechas vermelhas), ou de uma maneira agressiva com alteração na urina e na função do rim, problema neurológico, diminuição das células do sangue (com anemia, diminuição das células brancas e das células da coagulação – leucócitos e plaquetas).
O envolvimento do rim é comum e pode levar a alterações na urina (como presença de sangue e proteína na urina), aumento da pressão arterial e perda da função do rim.

– Prevenção e tratamento
O tratamento consiste em medicações imunossupressoras (que impedem a resposta imunológica alterada, porém aumentam o risco de infecções). Algumas vezes essas medicações são dadas na forma de comprimidos e às vezes na forma de medicações endovenosas mensais, pode ocorrer a necessidade de internação.

– Por quanto tempo a criança terá que tomar remédios?
A interrupção do tratamento sem orientação médica pode ter consequências sérias e irreversíveis, como piora importante da doença e risco de morte. A doença tem fases em que o paciente está controlado e fases em que a doença fica ativa. A realização de exames e o acompanhamento periódico com o reumatologista pediátrico são importantes, assim como o uso correto da medicação e uso de protetor solar. Há pacientes que podem ficar por longos períodos com poucos medicamentos, outros necessitam de medicação por toda a infância. Com o diagnóstico precoce e o tratamento mais eficiente, a evolução do paciente com lúpus juvenil melhorou muito e as crianças estão se tornando adolescentes e adultos com boa qualidade de vida física e mental.

Fonte: EBC

Jornalista

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

×
Jornalista Grupar EncontrAR

Jornalista, motivada pelo diagnóstico de artrite reumatoide aos 26 anos, “Patient Advocacy”, Arthritis Consumer, presidente do Grupo EncontrAR, vice-presidente do Grupar-RP, idealizadora dos Blogueiros da Saúde, eterna mobilizadora social em prol da qualidade de vida das pessoas com doenças crônicas no Brasil.

Anúncios

Comentário

comentários

Olá, deixe um comentário!