Notícias

Doença de Crohn: você sabe o que é?

Quando o sistema imunológico ataca o próprio corpo, acabam aparecendo as chamadas doenças autoimunes. Essas doenças podem surgir também em decorrência de fatores como pré-disposição genética, influências do meio ambiente, interferências de substâncias químicas, exposições à radiatividade, mudanças alimentares e outros fatores desencadeantes. Entre as doenças autoimunes podemos citar como exemplo a diabetes tipo 1, a tireoidite de Hashimoto, o lúpus, o vitiligo e a esclerose múltipla.

A Doença de Crohn tem relação com inflamação, sistema imunológico e intestino. Na verdade, ela é uma irritação crônica de todo o trato digestivo, mas se manifesta geralmente no íleo terminal, que é uma parte do intestino delgado, e no cólon. É mais comum em pessoas na entre 20 e 40 anos, mas pode se manifestar em qualquer faixa etária, além de atingir tanto homens quanto mulheres.

Como é uma inflamação, o tecido do intestino fica comprometido inteiramente. Os sintomas incluem dores na região abdominal, diarreia, febre, perda de peso e enfraquecimento. A fraqueza é provocada porque o intestino deixa de absorver os nutrientes dos alimentos com eficiência.

Quando a doença já está mais avançada, pode provocar outros sintomas como dores nas articulações, aftas, feridas na pele, nódulos avermelhados e doloridos, inflamações nos olhos, pedras nos rins e na vesícula. Em casos ainda mais graves, há rupturas intestinais.

Como já deu para perceber, são muitos os sintomas que podem indicar a presença da Doença de Crohn, e infelizmente muitas vezes esses sintomas são ignorados – a pessoa acha que tem um “intestino ruim” e não tem noção do que pode estar por trás disso.

É fundamental procurar ajuda médica se houver qualquer suspeita. Esse profissional, depois de ouvir seu histórico de saúde, vai pedir para que você faça alguns exames clínicos, de imagem e de sangue, que podem ajudar a fechar um diagnóstico.

Infelizmente, ainda não existe cura para a doença. O tratamento, no entanto, promete aliviar os sintomas e trazer uma melhor qualidade de vida ao paciente – a intervenção cirúrgica é recomendada para os casos mais graves, quando há obstrução intestinal, hemorragias, fístulas e doença perineal. No caso da leitora que nos pediu para falar sobre o tema, a cirurgia vai ser necessária – um dos motivos é que ela demorou a ser diagnosticada.

Além dos tratamentos com remédios e cirurgias, o paciente precisa adotar hábitos saudáveis de vida e eliminar aqueles que podem provocar novas crises. Deve-se parar de fumar, começar a praticar atividades físicas moderadas, identificar alimentos que provocam irritações e evitar o consumo desses itens, controlar o peso, evitar situações de stress, deixar de consumir alimentos gordurosos e ricos em fibra, e sempre procurar ajuda médica ao ver sinais de sangue nas fezes.

Fonte: MegaCurioso

Artigos Relacionados

Exame que detecta osteoporose pode dar resultado enganoso se não estiver de acordo com as normas de melhores práticas

Priscila Torres

De acordo com estudo, 10 minutos de exercício podem contribuir para afastamento de artrite

Priscila Torres

10 fatos sobre a fibromialgia explicados por um médico

Priscila Torres
Loading...