Correção da má postura previne múltiplas dores precoces na idade adulta

Problemas com má postura em crianças começam cedo

Segundo a SBED (Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor), três em cada dez brasileiros se queixam de dor. Estudos de dor crônica no Brasil mostram que a prevalência varia de 30% a 50% – informação cada vez mais atraída por profissionais de saúde dispostos a mitigar o problema e contribuir para melhorar a qualidade de vida desses milhares de pessoas. De acordo com o ortopedista Lafayette Lage, especialista em joelho e quadril, as queixas mais comuns são dores nas costas e no pescoço, mas também existe um certo tipo de dor de cabeça associada a problemas no corpo.

O médico alerta que muitas queixas sobre dor crônica na vida adulta estão diretamente ligadas a maus hábitos posturais na infância. Então, quando você ouve um adulto, o fato de que uma criança tem uma mania de “sentar-se” relativiza é hora de saber o que ela pode fazer quando você é mais velho. Afinal, não é incomum ouvir um jovem reclamando de dor (com exceção de atletas, é claro), depois dos 50 anos essa é a queixa mais comum.

“Problemas com má postura em crianças começam cedo. Mesmo antes de ir à escola, os adultos acham divertido quando a menina ou o menino está sentado em forma de W, sem saber dos riscos que a repetição desse hábito traz. A criança aprende a andar quase ao mesmo tempo em que aprende a brincar, desafiada pela motilidade, os pais não perturbam esse padrão, não desenvolvem bens de movimento mais maduros ̵ necessários para outras habilidades, diz Lage

Segundo o especialista, esse tipo de padrão causar uma desordem de rotação na coxa ou tíbia, levando à direção errada da articulação patelar do joelho (o que leva a condropatia e causa muita dor no joelho em jovens e idosos). Esta é também uma causa de condensação patelar – que é o amolecimento da cartilagem como rodeia a patela. A melhor coisa é impedir a criança de sentar aqui desde o início, sugerindo variações na forma.A atitude ideal está em uma “posição indiana”, com as pernas cruzadas na frente do corpo.”

No caso de crianças em idade escolar e jovens, faça o número de horas gastas pelos alunos em salas de aula ou palestra, geralmente com a bagagem e o pescoço inclinados para a frente ou, pior ainda, com o corpo quase deitado no banco e o pescoço apoiado O problema é que os adultos não levam tão a sério quanto deveriam, e uma das razões é que a queixa termina assim que o jovem se levanta e corre. mas imagine o que um problema postural que afeta mais de 15 anos de vida acadêmica não pode fazer quando a criança se torna um adulto sedentário e com excesso de peso ideal “, o médico também observa o peso excessivo que o jovem usa em suas mochilas e que pode colocar em risco a espinha dorsal médio ou longo prazo.

Lafayette Lage finalmente dá um aviso sobre problemas com a retenção da hora de dormir – que deve ser corrigida a tempo para evitar a dor crônica. “A pior condição para adormecer é o estômago, com o pescoço virado de um lado. Imagine passar horas à noite – especialmente aqueles que não se movem – com a coluna que faz um S. Ao longo dos anos é quase impossível para uma pessoa reclamar de problemas musculares, compressão nervosa e até dor de cabeça. A posição mais comum, que é a posição fetal – onde a pessoa está deitada e dobrando os joelhos – pode ser boa para quem tem problemas com o ronco, mas não para o pescoço no travesseiro para que o paciente encontre pelo menos uma almofada com a largura exata da largura dos ombros , para que sua cabeça possa ser bem mantida e o pescoço possa descansar enquanto você dorme, enquanto a posição do estômago é ideal para aqueles que sofrem de dor no pescoço e nas costas. Também ajuda a reduzir o refluxo gastroesofágico e a prevenir rugas. O único problema é que ele induz o ronco. Como isso só se torna um incômodo somente depois dos 30 ou 40 anos, o ideal é usar a criança para dormir no mesmo abdome enquanto puder”.

Fonte: JM Online

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));