Notícias ReumaBlogs

Terapia de reposição hormonal (TRH) e pacientes reumáticas

O uso de terapia de reposição hormonal (TRH) em mulheres na pós menopausa está cada dia mais restrito com as evidência de que seus riscos, que incluem AVC e câncer de mama, superariam seus benefícios.

Esses dependeriam muito do tipo, dose, via de administração, tempo de uso e momento de início da TRH. E o risco-benefício poderia ser favorável quando usada em mulheres com sintomas vasomotores severos (fogachos e sudorese noturna) com menos de 60 anos ou que tenham menopausa há mais de 10 anos.

Lembrando que a TRH está contra indicada em mulheres com história de câncer de mama, doença arterial coronariana, evento tromboembólico prévio ou AVC e doença hepática.
ㅤㅤ
E nossa paciente reumatológica, caso indicado, poderá fazer uso de TRH?
ㅤㅤ
Nas pacientes lúpicas com doença em atividade e/ou anticorpos antifosfolipídeos* (aPL) positivos o uso de TRH está totalmente fora de cogitação, já que aumenta o risco de flare (crises da doença) e tromboses. Agora as pacientes em remissão e que tenham aPL NEGATIVOS poderiam ter o uso da TRH considerado.

Mas somente se for realmente necessário, já que trabalhos indicam risco de induzir atividade leve/moderada, mas não grave, da doença e precisamos considerar que esses estudos não incluíram lúpicas em atividade de doença.
ㅤㅤ
*Os aPL são detectados através dos exames laboratoriais para anticoagulante lúpico, anticardiolipina IgG e IgM, e anti-β2-glicoproteína I IgG e IgM.
ㅤㅤ
Pacientes sem lúpus mas que tenham síndrome do anticorpo antifosfolípide (SAF) ou “apenas” positividade para os aPL sem a doença definida NÃO devem fazer uso de TRH pelo aumento do risco de trombose.
ㅤㅤ
Pacientes com outras doenças reumatológicas e que NÃO tenham aPL positivos, caso tenhas sintomas vasomotores severos e sem outras contraindicações, podem SIM lançar mão da TRH.
ㅤㅤ
Apesar de ainda não termos estudos em pacientes reumatológicos, o uso do estrogênio pela via transdérmica pode ser uma alternativa com menor risco de eventos tromboembólicos. Sempre com orientação e acompanhamento de seu Endocrinologista ou Ginecologista!

#REPOST @areumatologista

Related posts

Medicamentos terão reajuste de 4,33% a partir de 1º de abril

Priscila Torres

Fibromialgia ataca cerca de 10 mil umuaramenses, diz Associação Paranaense

Priscila Torres

Hospital São Vicente realiza cirurgia inédita de prótese de tornozelo

Priscila Torres
Loading...