Notícias

SPR alerta para doença rara de difícil diagnostico

A Sociedade Paranaense de Reumatologia (SPR) está fazendo um alerta para uma doença de difícil diagnóstico, chamada de síndrome de Sjogren (pronuncia-se xêgren). “O alerta está sendo feito porque muitas vezes a investigação desta síndrome necessita de diversos especialistas (como oftalmologista, dentista e reumatologista) para seu reconhecimento. Por se tratar de um desafio diagnóstico, a síndrome muitas vezes é ‘subdiagnosticada’ e seu tratamento não é realizado de maneira adequada, levando a lesão definitiva em alguns órgãos”, explica a reumatologista, Aiessa Zanchett Fedrigo, que é membro da SPR.

Apesar de relativamente rara (a incidência, no mundo, é de 1 a 4 casos para cada grupo de 100 mil pessoas), nos Estados Unidos a estimativa é de que 4 milhões de pessoas, a maioria mulheres (9 entre 10 pessoas com Sjögren são mulheres) tenham essa doença. No Brasil, estima-se que a prevalência seja de 0,17%. A doença muitas vezes pode estar associada a outras doenças reumatológicas como o lúpus, a artrite reumatoide, ou simular outras doenças como a fibromialgia ou a esclerose múltipla.

“Detectar a síndrome nem sempre é fácil, devido ao grande e amplo espectro da doença e à pouca valorização dos sinais e sintomas iniciais. Desta forma não é infrequente a demora de em média 10 anos entre o início dos sintomas, e seu diagnóstico. Entretanto reconhecer a síndrome precocemente e a realização de seu acompanhamento e tratamento são de grande importância para o desfecho clínico dessa população”, explica a reumatologista da SPR.

Ela lembra que apesar da maioria das mulheres diagnosticadas costumam estar na menopausa ou ainda com mais idade, a Sjögren pode atingir crianças e adolescentes e até causar complicações em mulheres grávidas, se não for corretamente tratada. “A síndrome de sjögren é uma doença inflamatória autoimune, que acomete glândulas exócrinas, principalmente salivares e lacrimais, levando a disfunção glandular e sintomas como secura oral e ocular. Outras glândulas como as da pele, vias aéreas e trato genitourinário, podem estar acometidas”, diz a Dra. Aiessa.

O diagnóstico desta doença é feito a partir da observação dos exames de auto-anticorpos,  biópsia glandular e alguns testes que avaliam disfunção das principais glândulas acometidas. “Além das manifestações glandulares, cerca de 50% dos casos apresentam envolvimento de outros órgãos e sistemas como cérebro, pulmões, rins e sistema musculoesquelético, caracterizando a doença como uma moléstia sistêmica.  Pacientes com sintomas mais graves, acometendo órgão- alvo estão associados a maior morbidade e mortalidade, podendo existir associação com linfoma”, completa Aiessa Zanchett Fedrigo.

Artigos Relacionados

Vigilância Sanitária libera novo medicamento para gota

Priscila Torres

Quais os tipos de pneumopatias na artrite reumatoide?

Priscila Torres

Anvisa aprova medicamento biológico Adalimumabe da Abbvie para pacientes pediátricos com artrite associada à entesite

Priscila Torres
Loading...
%d blogueiros gostam disto: