Doenças Reumáticas Notícias

Setembro amarelo: Veja qual a relação do reumatismo com a depressão

Estamos em pleno mês de combate ao suicídio e precisamos falar das causas de depressão que terminam em morte, é necessário cuidar do problema e evitar a consequência

As pessoas não sabem, mas dores físicas constantes são desesperadoras e podem causar depressão profunda.

Para pacientes de doenças crônicas, como as reumatológicas, o Setembro Amarelo e a pandemia chegaram com aumento nos casos de transtornos de ansiedade e depressão, que pioram ainda mais os quadros de dor articular.

Com o corpo exaurido, dolorido, desde a hora que acorda, até quando vai dormir, nível de estresse e irritação altíssimo, para muitos a única solução parece ser a morte. Dados que não podem ser aceitos.

Infelizmente pouco conhecidas, as doenças reumatológicas podem afetar cerca de 20 milhões de brasileiros segundo dados da Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), e muitos desses pacientes podem apresentar em um alto índice de depressão.

Com mais de 120 tipos de doenças ligadas às articulações, músculos, ligamentos ou ao sistema imunológico, o reumatismo é uma terminologia que acomete mais mulheres que homens. Atualmente as mulheres representam cerca de 60% dos casos no Brasil.

Para que as doenças sejam controladas, as pessoas devem entender que procurar o diagnóstico correto pode ajudar a aliviar as consequências dessas enfermidades.

Jaqueline Barros Lopes, especialista e médica reumatologista da Clínica de Reumatologia Prof. Dr. Castor Jordão Cobra, vê diariamente entre seus pacientes sintomas depressivos:

As dores crônicas, decorrentes de doenças reumatológicas, não tratadas adequadamente, duplicam a incidência de depressão.

Pacientes, com dores crônicas também apresentam taxas aumentadas de ideação suicida, tentativas de suicídio e lamentavelmente, em alguns casos, conclusão deste.

O contrário também é verdadeiro, a depressão pode ser um gatilho para a doenças reumáticas em pessoas com predisposição genética.

Isso já é era bem estabelecido em relação ao Lupus Eritematoso Sistêmico e, a partir de um estudo realizado na University of Calgary, Canadá, a depressão também começou a ser vista como gatilho para a Artrite Reumatoide.

Realmente, não é raro, identificarmos os primeiros sintomas da artrite reumatoide surgirem após um estresse emocional como a perda de um ente querido.

Para que o quadro não evolua para o suicídio, é necessário também o tratamento de uma equipe multidisciplinar, como um psicólogo e psiquiatra, bem como o apoio incondicional da família.

Algumas doenças reumatológicas são mais propensas ao desenvolvimento de depressão, como artrite psoriásica e fibromialgia.

Em outras o quadro de depressão, como já citei, pode fazer parte da atividade da doença como no Lupus Eritematoso Sistêmico e artrite reumatoide.

Logo, é fundamental o acompanhamento constante desses pacientes tanto da parte do reumatologista, no sentido de investigar os sintomas de depressão, quanto da parte dos psiquiatras em encaminhar os pacientes com dores para o reumatologista. – Jaqueline Barros Lopes (Clínica de Reumatologia Prof. Dr. Castor Jordão Cobra)

O Setembro Amarelo é uma data importante não apenas para alertar a questão do suicídio, mas também para mostrar que há uma imensa preocupação com os gatilhos que causam esse quadro psiquiátrico.

Por Doutora Jaqueline Barros Lopes, especialista e médica reumatologista da Clínica de Reumatologia

Fonte: Jornal Contábil.

Related posts

Mude de médico quantas vezes for preciso

Priscila Torres

SBR Esclarece Dúvidas sobre Uso de Antimaláricos por Pacientes Reumáticos

Priscila Torres

Ministério da Saúde abre consulta pública sobre o protocolo de tratamento de Artrite Psoriásica

Priscila Torres
Loading...