Notícias

Semaglutida: o que se sabe sobre moderador de apetite que levou a perda média de 15kg em estudo internacional

Um medicamento que suprime o apetite fez com que algumas pessoas perdessem mais de um quinto do peso corporal, mostra um grande experimento internacional.

Uma injeção semanal da droga, semaglutida, foi dada junto com conselhos sobre dieta e preparo físico.

O estudo, conduzido em quase 2.000 pessoas, mostrou uma perda de peso média de 15 quilos durante o tempo de duração do experimento, de 15 meses.

Os cientistas disseram que os resultados podem marcar uma “nova era” no tratamento da obesidade com ainda mais terapias no horizonte.

A inglesa Jan perdeu 28kg, o equivalente a mais de um quinto de seu peso corporal.

Jan, após um voo no aeródromo de Duxford em setembro de 2019, que ela diz que teria sido impossível antes de sua perda de peso de 28 quilos

“A droga mudou minha vida e alterou completamente minha relação com os alimentos”, disse ela.

Ela disse que fazer dieta a deixou “infeliz”, mas tomar a droga era completamente diferente, pois ela estava com menos fome.

‘Sem esforço’

No entanto, agora que o experimento acabou, seu apetite voltou e ela está ganhando peso novamente.

Ela disse: “Foi fácil perder peso durante o teste, mas agora voltou a ser uma batalha constante com a comida”.

A semaglutida já é familiar para algumas pessoas que a usam como tratamento para o diabetes tipo 2, mas este estudo examinou a possibilidade de administrá-la em doses mais altas.

O medicamento atua sequestrando os níveis de apetite do corpo e imitando um hormônio — chamado GLP1 — que é liberado após uma refeição farta.

O experimento deu a algumas pessoas a droga e a outras, um placebo, enquanto os dois grupos receberam conselhos sobre estilo de vida.

Os resultados, publicados na revista científica New England Journal of Medicine, mostraram que as pessoas perderam uma média de 15 kg com semaglutida em comparação com 2,6 kg entre aqueles que não tomaram o medicamento.

No entanto, 32% das pessoas perderam um quinto do peso corporal com a droga, em comparação com menos de 2% com o placebo.

‘Nova era’

A professora Rachel Batterham, da Universidade College London (UCL), que fez parte da equipe de pesquisadores do Reino Unido envolvidos no experimento, disse à BBC: “Isso é uma virada de jogo na quantidade de perda de peso que causa. Passei os últimos 20 anos fazendo pesquisas sobre obesidade, até agora não tínhamos um tratamento eficaz para a obesidade além da cirurgia bariátrica.”

Ela disse que perder peso reduziria o risco de doenças cardíacas, diabetes e da covid-19 grave.

A semaglutida está sendo submetida a reguladores de medicamentos, portanto não pode ser prescrita de forma rotineira. No entanto, Batterham diz esperar que a droga seja usada inicialmente por clínicas especializadas em perda de peso, em vez de estar amplamente disponível.

Efeitos colaterais

Houve efeitos colaterais durante o tratamento com a droga, incluindo náusea, diarreia, vômito e constipação. E há estudos de cinco anos em andamento para ver se a perda de peso pode ser mantida a longo prazo.

O professor Stephen O’Rahilly, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, disse: “A quantidade de perda de peso alcançada é maior do que a observada com qualquer medicamento antiobesidade aprovado para uso”.

“Este é o início de uma nova era para o desenvolvimento de medicamentos contra a obesidade, com o objetivo futuro de atingir níveis de perda de peso comparáveis aos da semaglutida, com menos efeitos colaterais”.

Na opinião de Duane Mellor, nutricionista e da Aston Medical School, “é útil ter uma opção para ajudar as pessoas a perder peso, no entanto, precisamos reconhecer que a perda de peso ainda dependerá de mudança no estilo de vida e que qualquer medicamento pode trazer riscos e efeitos colaterais potenciais”.

“Portanto, é sempre aconselhável conversar com um profissional de saúde antes de tentar perder peso.”

Fonte: BBC.

Artigos Relacionados

Como driblar a dor nas costas durante a jornada de estudos?

Priscila Torres

Dia Mundial da Espondilite Anquilosante

Priscila Torres

Artrite reumatoide: Um dos fatores desencadeadores seriam os alimentos?

Priscila Torres