Lúpus (LES) Notícias

Selena Gomez faz seu melhor disco após dificuldades no amor e na saúde

Selena Gomez aparece sozinha em um cômodo que pode ser tanto um quarto de hotel quanto um confessionário no clipe de “Lose You to Love Me”. O single, carro-chefe do recém-lançado disco “Rare”, é o momento mais épico do trabalho, que chega depois de ela ter vivido términos de relacionamentos noticiados na imprensa, um tratamento de lúpus e problemas de depressão e ansiedade.

“Precisei te odiar para poder me amar”, ela canta no refrão da faixa, que de certa forma introduz o contexto de “Rare”. A música, melodramática e construída por uma base de piano e verdadeiras paredes de vozes – como no libertador single de 2017 de Lorde, “Green Lights” – apresenta tanto o sofrimento da cantora quanto sua volta por cima.

O último disco de Selena Gomez, “Revival”, que marcou a chegada à vida adulta da ex-estrela mirim da Disney, saiu em 2015. No pop atual, mutante, esse hiato de cinco anos –parecido com o que vivem Rihanna e Adele – está mais para uma década.

Mas a espera parece apenas aumentar a urgência de “Rare”. “Lose You to Love Me” já se tornou a primeira música da carreira da cantora a chegar ao primeiro lugar da parada americana. No outro single do disco, “Look at Her Now”, um pop eletrônico pronto para as pistas, Selena pesa decisões do passado e celebra ter se livrado de um relacionamento que lhe fazia mal.

Nos últimos anos, a cantora namorou astros da música pop, Justin Bieber e The Weeknd. Lembrando a amiga Taylor Swift, ela trata das decepções amorosas nas letras, sem citar os ex-namorados, como contraponto da exaltação do amor-próprio.

Mas não só nos temas Selena remete à obra recente de Swift. Faixas como “Rare”, a primeira do álbum, lembram o pop enxuto e pessoal que alavancaram a carreira da ex-estrela country a partir do disco “1989”, de 2014.

Sonoramente, Selena também não perdeu o bonde do pop nos últimos anos. Para a produção do single principal, “Lose You to Love Me”, ela chamou Finneas, irmão e colaborador da maior revelação pop do ano passado, Billie Eilish.

Além dele, retornam os compositores americanos Ian Kirkpatrick e Justin Tranter, com quem Selena já havia trabalhado em “Revival”. A dupla sueca Mattman & Robin, de “Hands to Myself”, é outra que volta a colaborar com a cantora.

Em “Rare”, o EDM (electronic dance music) expansivo do passado dá lugar a levadas e arranjos mais suaves, esbarrando no R&B e até no soul. É possível ouvir a influência de gente como Lizzo (em “Cut You Off”) e Janelle Monáe (em “Fun”), e até da música latina, diluída em “Ring”, cujas guitarras lembram o sample de Santana em “Wild Thoughts” (single de 2017 de DJ Khaled, com vocais de Rihanna).

As duas participações especiais do álbum, dos rappers 6LACK e Kid Cudi, são periféricas, mas marcam dois dos momentos mais desacelerados do trabalho. O primeiro empresta versos à balada romântica “Crowded Room”, enquanto o segundo surge cantando na emotiva “A Sweeter Place”, cuja produção soa como alguma faixa antiga do parceiro de Cudi, Kanye West.

Leve, “Rare” é um disco de libertação de traumas com roteiro comum no pop dos últimos anos, de Kesha a Ariana Grande. Neste caso, Selena se apresenta no momento de alívio posterior ao baque psicológico –que aparece apenas como sombra, incapaz de destruir o próximo dia da cantora.

Selena Gomez não está na vanguarda da música pop, mas “Rare” a reposiciona no imaginário do público, de estrela teen com data de validade a uma artista com nome e sobrenome. Pelo menos na própria carreira, a cantora de 27 anos vive seu melhor momento.

RARE
Avaliação: bom
Onde: Nas plataformas digitais
Autor :Selena Gomez
Gravadora: Interscope Records

Fonte: O tempo.

Related posts

CONITEC abre consulta pública para recomendação de incorporação de um novo tratamento biológico de artrite psoriásica (AP) no Sistema Único de Saúde (SUS)

Priscila Torres

Cirurgias eletivas são autorizadas pela ANS

Priscila Torres

Cirurgia Plástica ideal é com pós-operatório perfeito

Priscila Torres
Loading...