Notícias

Seconci-SP explica as principais causas da obesidade e como tratá-la

No próximo dia 11 será celebrado o dia ‘Dia Nacional de Prevenção da Obesidade’, instituído pelo governo federal para chamar a atenção da população para um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. No Brasil, dados da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), de 2018, apontam que mais da metade da população está acima do peso e a obesidade atinge um em cada cinco brasileiros. Diante desse cenário, o Seconci-SP (Serviço Social da Construção) explica as principais enfermidades associadas à doença e as formas de tratamento.

 

Fatores genéticos e comportamentais, como sedentarismo, tabagismo e hábitos alimentares, são algumas das causas para o desenvolvimento da doença, que, uma vez identificada, exige um tratamento multidisciplinar ao longo de toda a vida.

 

“O estímulo a mudança de estilo de vida e a troca de medicamentos que possam estar ligados diretamente à obesidade são formas de controlar a doença. Ainda assim, se avaliada isoladamente com acompanhamento psicológico, a Terapia Cognitiva Comportamental (TCC) é de extrema importância e pode ser ainda mais eficaz que os próprios medicamentos”, explica a Dra. Carolina Amorim, endocrinologista da entidade.

 

Tal abordagem terapêutica identifica e trabalha problemas psicológicos e emocionais diversos, como depressão, ansiedade, transtorno alimentares, traumas e fobias — fatores que podem estar ligados com o desenvolvimento da patologia. 

 

Hoje, mais de 50% da população do sul e sudeste do País já está obesa. A médica alerta ainda que, por ser uma doença crônica, deve ser bem monitorada, especialmente em pacientes que optam pela cirurgia bariátrica, que tem como objetivo reduzir o peso de pessoas com o IMC (Índice de Massa Corpórea) muito elevado. “O acompanhamento é para toda a vida pois é uma doença sem cura. Mesmo para aqueles que realizaram a cirurgia, se não houver uma mudança de estilo de vida, hábitos alimentares e atividade física, não há resultados”, completa.

 

A médica destaca ainda que, se não houver acompanhamento e tratamento contínuos, complicações como hipertensão, aumento do colesterol, diabetes e problemas cardiovasculares podem ser desencadeadas. 

 

No Seconci-SP, os funcionários contam com um apoio de especialistas diversos, como endocrinologistas, nutricionistas e cardiologistas, que podem trabalhar em conjunto em prol da saúde dos colaboradores. Em alguns casos, quando solicitado, nutricionistas da entidade são deslocados até os canteiros de obras para avaliar as refeições e cardápios dos trabalhadores.

 

Fonte: Assessoria de Imprensa

Artigos Relacionados

Com artrite reumatoide ex-número 1, Wozniacki revela que se aposentará do tênis após Aberto da Austrália

Priscila Torres

Benefícios da atividade física vão além do corpo

Priscila Torres

Anvisa aprova nova terapia para retocolite ulcerativa

Priscila Torres
Loading...
if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));