Coronavirus Doenças Reumáticas Notícias

Pessoas que tiveram sintomas graves da Covid podem desenvolver anticorpos que agem contra o próprio organismo

Um estudo realizado pelo Departamento de Medicina da Universidade de Emory, em Atlanta, nos Estados Unidos, sugere que mais da metade das pessoas que tiveram sintomas graves da Covid-19 desenvolveram um tipo de anticorpo que, em vez de atacar o vírus, ataca o próprio corpo, chamados de autoanticorpos.

Os pesquisadores analisaram o prontuário de 52 pacientes da Covid-19 internados em terapia intensiva (UTI). Eles observaram que, apesar de nenhum deles ter histórico de doenças autoimunes, enfermidades nas quais o paciente têm anticorpos que atacam o próprio organismo, mais da metade apresentou resultados positivos para os autoanticorpos.

Tal fato, segundo a publicação, ajudaria a entender porque alguns pacientes têm sintomas persistentes, mesmo depois de meses após se recuperarem da Covid-19.

O imunologista Matthew Woodruff, principal autor do trabalho, afirmou que, embora as descobertas levantem novas preocupações, há questões que os dados não revelaram.

Os cientistas explicam que os autoanticorpos são observados em doenças autoimunes como o lúpus ou crônicas como a artrite reumatoide. Pacientes com lúpus, por exemplo, costumam ter anticorpos que têm como alvo seu próprio DNA – as moléculas que compõem o genoma humano.

Em setembro, um estudo anterior ao americano, realizado pelo consórcio internacional Covid Human Genetic Effort, já havia identificado autoanticorpos em pessoas infectadas pelo coronavírus.

Publicado pela revista “Sicence”, o estudo mostrou que pelo menos 1 em cada 10 pacientes em estado grave com a Covid haviam produzido autoanticorpos. O mesmo não ocorreu entre pacientes assintomáticos ou com sintomas leves.

Fonte: São Joaquim Online.

Artigos Relacionados

Entre o alto preço dos planos e a demora do SUS, policlínicas oferecem serviços de qualidade

Priscila Torres

Covid-19 pode provocar lesão renal crônica

Priscila Torres

ATENÇÃO: Uso excessivo de omeprazol pode causar anemia, osteoporose e até demência

Priscila Torres