Coronavirus Doenças Reumáticas

Pessoas com doenças reumáticas com baixas taxas de infeção pela COVID-19

Investigação mostra que a maioria dos pacientes com doenças reumáticas apresenta sintomas leves quando infetada com COVID-19, e que a taxa de mortalidade pela infeção pelo coronavírus é baixa.

Um novo estudo de investigação mostra que a incidência de infeção por COVID-19 tem sido baixa em pessoas com doenças reumáticas, e a maioria dos infetados apresenta sintomas leves da doença. O estudo mostra também que a taxa de mortalidade tem sido baixa entre os pacientes com doenças reumáticas que foram infetados com COVID-19.

A COVID-19 é a doença infeciosa causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2. Como a pandemia de COVID-19 aumentou em todo o mundo no início de 2020, o risco de infeção grave, complicações ou fatalidade era desconhecido para pessoas com doença reumática. Muitos pacientes com doenças reumáticas são tratados com medicamentos imunossupressores que os deixam mais suscetíveis à infeção.

Quando a pandemia começou, não estava claro como as pessoas com doenças reumáticas, em terapia imunossupressora, foram afetadas por uma infeção por COVID-19. Alguns estudos iniciais até sugeriram que esses medicamentos poderiam ter um efeito protetor, mas as preocupações permaneceram sobre a vulnerabilidade dessa população de pacientes. Para saber mais, os pesquisadores realizaram uma revisão sistemática de estudos que relataram os resultados da COVID-19 entre pacientes com doenças reumáticas que estavam a receber terapias biológicas e direcionadas.

“Quando a pandemia começou, havia a preocupação de continuar ou manter terapias imunológicas entre os pacientes com doenças reumáticas porque eles tinham um risco aumentado de infeção”, referiu Akhil Sood, da University of Texas Medical Branch, em Galveston, EUA, e coautor do estudo.

O investigador acrescentou: “Estávamos interessados ​​em ver se esses pacientes apresentam um risco aumentado de infeção por COVID-19. Se fossem infetados, queríamos saber a gravidade de seu curso clínico. Isso poderia ajudar-nos a determinar se é seguro continuar ou manter terapias imunológicas em caso de infeção por COVID-19.”

Os investigadores analisaram estudos relevantes de janeiro a junho de 2020 que relatavam os resultados da COVID-19 entre pacientes com doença reumática, e extraíram informações demográficas e do uso de produtos biológicos ou terapia direcionada com inibidores da Janus quinase (JAK) pelos pacientes. Os investigadores mediram os seguintes desfechos dos pacientes de doenças reumáticas com COVID-19: hospitalização, admissão numa Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e óbito. Com base nos sintomas clínicos, os pacientes foram divididos em dois grupos: graves ou com risco aumentado de insuficiência respiratória ou complicações com risco de vida ou não graves.

O estudo incluiu 6.095 pacientes com doenças reumáticas de oito estudos de coorte observacionais, com 28% com artrite reumatoide e 7% com artrite psoriática. Dos 6.095 pacientes, apenas 123 ou 2% foram positivos ou altamente suspeitos para COVID-19. Em todos os estudos usados ​​para a análise, 68% dos pacientes com COVID-19 estavam a tomar produtos biológicos, 31% a tomar medicamentos anti-TNF (anti-fator de necrose tumoral) e 6% a tomar inibidores de JAK. Entre os pacientes que foram infetados com o coronavírus, 91 ou 73% nunca foram hospitalizados. Treze pacientes que foram hospitalizados necessitaram de internamento numa UCI e quatro pacientes morreram.

“Na análise, houve um pequeno número de pacientes com terapias biológicas e direcionadas para tirar conclusões definitivas sobre se deve continuar ou manter as terapias”, referiu Akhil Sood. “Estamos a aguardar estudos extensos adicionais que incluam mais pacientes com doenças reumáticas em terapias biológicas e direcionadas. Outra área de interesse para nós é o exame dos fatores de risco para infeção grave pela COVID-19 em pacientes com doença reumática. Esperamos que isso nos possa ajudar a identificar quais pacientes que devem ser monitorados de perto e possivelmente desenvolver medidas para mitigar o risco.”

Os resultados do estudo foram apresentados no ACR Convergence, o encontro anual do American College of Rheumatology.

Fonte: TV Europa.

Artigos Relacionados

Especialistas explicam se pacientes com rinite são mais propensos a contrair coronavírus

Priscila Torres

Tratamento da Fibromialgia: 10 Exercícios que Aliviam a Dor

Priscila Torres

Vasculites

Ultrarticular Dra. Karine Luz