Colunas da Pri ReumatoNews

Pacientes com artrite reumatóide devem ficar atentos às comorbidades #SBR2018

Os pacientes com artrite reumatóide devem ficar atentos a maior possibilidade de desenvolver outras doenças associadas, chamadas de comorbidades. De acordo com a médica reumatologista, Ieda Maria Magalhães Laurindo, a principal mortalidade desses pacientes é por conta de eventos cardiovasculares. “Mais de 40% das pessoas com artrite reumatoide morrem por alguma complicação relacionada ao coração, como infarto do miocárdio e derrames”, explicou durante o Congresso Brasileiro de Reumatologia, realizado em setembro de 2018.

Além das complicações cardíacas, os pacientes também podem desenvolver linfomas, hepatites B e C, hipertensão e diabetes.  Outro dado que chama atenção mostra que muitos desses pacientes apesar de terem conhecimento da comorbidade, não buscam tratamento. “Estudos internacionais apontam que cerca de 15% dos pacientes no mundo todo não tratam a hipertensão e nem o diabetes”, contou a médica.

O caminho para evitar as comorbidades passa pela remissão da doença reumatológica. “Observamos que há uma relação entre a ativação da doença com os fatores de risco para as comorbidades. Por isso, é importante alcançar a remissão”, destacou dra. Leda.

Fatores que contribuem para as comorbidades

A especialista destacou que aqueles que vivem uma rotina de estresse, possuem depressão, seguem uma dieta inadequada e são sedentários são considerados pacientes de alto risco para desenvolvimento das comorbidades.

Além desses fatores, o uso de medicamentos também merece atenção. “Os inflamatórios e corticóides são capazes de aumentar o risco cardiovascular em mais de 50%. Já o metotrexato reduz o risco de doenças do coração”, elucidou a reumatologista.

O fumo é outro fator de risco para o desenvolvimento de doenças associadas como para o próprio desenvolvimento da artrite reumatoide. E, neste caso, inclui-se o fumo passivo. “Uma criança exposta a longos períodos ao tabaco tem maior chance de desenvolver artrite reumatoide, por exemplo. Já para aqueles que já possuem a doença, o fumo aumenta a probabilidade de desenvolver doenças do coração”, pontuou Dra. Ieda Maria.

Related posts

Inclusão da Pessoa com Doença Crônica

Priscila Torres

Criança com artrite idiopática juvenil espera desde setembro medicamento de alto custo na Bahia

Priscila Torres

Hidroxicloroquina: Para o coronavírus uma hipótese, para pacientes reumáticos uma certeza indisponível

Priscila Torres
Loading...