Notícias

MPF de Rondônia instaura inquérito para investigar Ministério da Saúde: apuração urgente está ligada a atraso de medicamento destinado a portadores de artrite reumatoide

O Ministério Público Federal, via Procuradoria da República no Estado de Rondônia (MPF/RO) e através das mãos da procuradora Samara Yasser Yassine Dalloul, instaurou inquérito civil público a fim de investigar o Ministério da Saúde da gestão Jair Bolsonaro (PSL), hoje operado pelo titular Luiz Henrique Mandetta.

De acordo com o extrato da Portaria de instauração do procedimento, a intenção do órgão federal de fiscalização e controle é ‘‘Apurar suposto atraso atribuído ao Ministério da Saúde no fornecimento à Secretaria de Saúde do Estado de Rondônia do medicamento TOFACITINIBE, indicado para o tratamento de pacientes portadores de artrite reumatoide (AR) ativa, moderada a grave”.

De acordo com o site Consulta Remédios, que reúne preços de fármacos em empresas de todo o Brasil, o preço mais acessível do Citrato de Tofacitinibe, vendido sob o nome comercial de Xeljanz, é de R$ 4,4 mil a caixa. 

O Rondônia Dinâmica tentou contato com os números dispostos no Portal do Governo do Estado tanto em relação à Comunicação quanto nos gabinetes do governador e também do secretário de Saúde Fernando Máximo. Em todos os casos, a ligação chama até cair. O espaço está aberto para eventuais manifestações.

Veja a íntegra do documento:

PORTARIA Nº 3, DE 29 DE JANEIRO DE 2020

A PROCURADORA REGIONAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO SUBSTITUTA NO ESTADO DE RONDÔNIA, Samara Yasser Yassine Dalloul, no uso de suas atribuições conferidas pelo artigo 129, III, da Constituição da República; artigo 5º, III, “e”, da Lei Complementar nº 75/1993; artigo 25, IV, “a”, da Lei nº 8.625/93; e pelo artigo 8º, § 1, da Lei nº 7.347/85. 

CONSIDERANDO que o Ministério Público Federal é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis;

CONSIDERANDO que são funções institucionais do Ministério Público Federal, dentre outras, zelar pelo efetivo respeito aos direitos e interesses sociais e individuais indisponíveis assegurados na Constituição da República de 1988, promovendo para tanto, e se necessário, o Inquérito Civil e a Ação Civil Pública (art. 129, III, da Carta Magna e artigo 5º, III, “e”, da Lei Complementar nº 75/1993);

CONSIDERANDO a função exercida pela Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão de dialogar e interagir com órgãos de Estado, organismos nacionais e internacionais e representantes da sociedade civil, persuadindo os poderes públicos para a proteção e defesa dos direitos individuais homogêneos socialmente relevantes ou indisponíveis, coletivos e difusos – tais como dignidade, liberdade, igualdade, saúde, educação, assistência social, acessibilidade, acesso à justiça, direito à informação e livre expressão, reforma agrária, moradia adequada, Sistema Prisional, Tortura, não discriminação, alimentação adequada;

CONSIDERANDO que no Brasil, por força de disposição constitucional, a Administração Pública tem por função a efetiva implementação desses direitos sociais (sem prejuízo de outros), assegurando a todos uma existência digna, e, conforme os ditames da justiça social (art. 170, caput, CF), atuando ativamente para a promoção da igualdade, com fundamento na dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, CF);

CONSIDERANDO as informações sobre morosidade excessiva no fornecimento de medicamentos, que, em regra, deveriam ser distribuídos com habitualidade as Secretarias de Saúde dos estados;

CONSIDERANDO que é necessária a distribuição de forma contínua, regular e suficiente. De modo a suprir a necessidade de todos os usuários, sem gerar angústia aos pacientes, frente ao risco de ficar sem o tratamento adequado;

CONSIDERANDO as informações de que o Ministério da Saúde não está fornecendo medicamentos necessários para os portadores de artrite reumatoide;

CONSIDERANDO o vencimento do prazo de tramitação do Procedimento Preparatório 1.31.000.001451/2019-51, sem a conclusão do mesmo, bem como sem resposta aos ofícios expedidos;

RESOLVE:

INSTAURAR INQUÉRITO CIVIL, com o seguinte objeto: ‘‘Apurar suposto atraso atribuído ao Ministério da Saúde no fornecimento à Secretaria de Saúde do Estado de Rondônia do medicamento TOFACITINIBE, indicado para o tratamento de pacientes portadores de artrite reumatoide (AR) ativa moderada a grave.’’

NOMEAR os servidores lotados junto à Secretaria da PRDC para atuar como secretários no presente.

DETERMINAR à Secretaria da PRDC que:

(i) comunique a presente medida ao NAOP-PFDC da 1ª Região, encaminhando cópia desta para publicação, em atenção ao disposto no art. 5º, VI da Resolução nº 87/2006 do CSMPF e art. 4º, VI da Resolução n.º 23/2007 do CNMP;

(ii) Reitere com urgência, os ofícios 3259/2019 (PR-RO-00038700/2019) e 3258/2019 (PR-RO-00038688/2019).

Fixe-se o prazo de 15 (quinze) dias úteis, contados a partir do recebimento, para resposta (§ 5º, art. 8º da LC 75/93);

(iii) após, volte conclusos.

SAMARA YASSER YASSINE DALLOUL

Procuradora Regional dos Direitos do Cidadão Substituta

Fonte: Rondônia dinâmica.

Anúncios

Artigos Relacionados

Refrigerante pode causar doenças como osteoporose e diabetes

Priscila Torres

CONITEC abre consulta pública para recomendação de incorporação de um novo tratamento biológico de artrite psoriásica (AP) no Sistema Único de Saúde (SUS)

Priscila Torres

Sociedade Paulista de Reumatologia e Associação Brasileira Superando o Lúpus fazem campanha no metrô para sensibilizar população sobre doenças

Priscila Torres
Loading...