Colunas da Pri

Lúpus: prevenção, diagnóstico e tratamentos

O lúpus também foi tema do Encontro Nacional de Pacientes Reumáticos, realizado em Fortaleza, no Ceará.  Prevenção, diagnóstico e tratamentos disponíveis foram pauta da palestra proferida pela médica Marta Maria das Chagas. O lúpus é uma doença autoimune, não contagiosa, sem cura, mas que possui controle por meio da remissão.

Apesar de atingir em sua maioria mulheres em idade reprodutiva – cerca de 9 a 10 mulheres para cada homem são acometidos da doença – a médica afirmou que qualquer pessoa pode desenvolver lúpus. “Qualquer raça, idade ou nível socioeconômico, de qualquer lugar. Não existe uma predileção para a doença afetar”, disse. No Brasil, cerca de 100 mil pessoas têm o diagnóstico. Destas, uma em cada mil mulheres. Mesmo com números expressivos é considerada uma doença rara.

Lúpus pode atingir qualquer órgão 

O lúpus é uma doença crônica e pode afetar qualquer órgão. “Contudo, isso não quer dizer que o paciente vai ter todos os órgãos afetados. Isso é o que a torna uma doença bem desafiadora, porque ela pode afetar qualquer órgão numa combinação única. Uns podem apresentar na pele, outros nas articulações, nos rins, etc.”, revela a médica. 

A doença também é caracterizada por período de atividade e remissão, ou seja, ora a doença está em atividade, o que requer uma mudança de plano de tratamento, ora está em remissão, quando o paciente está bem e toma a medicação continuamente em doses mais baixas.

Como se desenvolve o lúpus 

Para o desenvolvimento da doença existe uma combinação entre fator genético e ambiental. O paciente que tem lúpus tem uma predisposição genética, mas em geral é o conjunto desses fatores ambientais como o cigarro, a luz do sol, estresse, infecções por micro-organismos, hormônios femininos, entre outros, que podem desencadear a doença. “Hoje já está comprovado que o cigarro não é só fator de risco para o lúpus, mas é fator de risco para outras doenças reumáticas como artrite reumatoide, além do risco de diminuir o efeito dos medicamentos. Há também os anticoncepcionais com estrógeno. Por isso, orientamos as nossas pacientes jovens a falar com o seu ginecologista para ver um outro método anticoncepcional que não o oral a base de estrógeno”, explica doutora Marta.

Além disso, o sol é um vilão. “O sol é irradiação. Quando esse comprimento de onda penetra na pele, ele é absorvido pelas células e a pele que absorve acaba morrendo, porque a irradiação mata aquela célula. Essa morte estimula a produção dos anticorpos. O sol faz mal para pele, mas o sol também tem efeito sistêmico, porque esse anticorpo que é formado se junta com a proteína considerada estranha, o antígeno, e circula no sangue, depositando-se em qualquer órgão. Então, o sol pode piorar sim, uma dor articular”, destaca a especialista. 

Sintomas do lúpus 

Os sintomas gerais da doença são cansaço, desânimo, febrícula – uma febre baixa -, perda de apetite, dor nas juntas, quedas de cabelos, inflamação na pleura, pressão alta, problema nos rins, inchaço nas pernas, sangramentos, alteração no humor, depressão, mudança de comportamento e perda de peso. “Se a pessoa tem esses sintomas é importante procurar um médico, pois esse pode ser o início da fase de atividade da doença”, alerta a médica. Outros sintomas podem ser manchas na pele que aparecem com o sol, feridas na boca e no nariz, que são indolores. “Diferente das aftas que doem muito, a do lúpus não doem. É preciso abrir a boca e procurar para ver se tem ferida”. 

Ainda assim, as manifestações são muito distintas de uma pessoa para a outra, por isso é importante ficar atento a qualquer sintoma e procurar tratamento médico. O diagnóstico é feito baseado na presença de sintomas característicos e exames complementares. “Não existe, absolutamente, nenhum exame isolado que diga que o paciente tem lúpus”, destaca doutora Marta.

Fatores de risco 

Além de evitar os fatores de risco, o paciente terá que tomar remédios, que vão depender do tipo de manifestação. “O mais comum é o difosfato de cloroquina, que deve ser usada em qualquer tipo de lúpus. É um medicamento excelente, ajuda os outros medicamentos e poupa o uso de corticoide. Assim o paciente tem uma sobrevida maior, menos reativação da doença e quando tem é muito mais leve do que os pacientes que não tomam”, destaca a reumatologista. O objetivo do tratamento é alcançar e manter a remissão da doença, que é o controle da atividade do lúpus.

Por isso, a médica faz um alerta sobre a importância de ter um acompanhamento médico. “É preciso realizar exames periodicamente, juntamente com o tratamento adequado para cada paciente. É importante fazer atividade física, não fumar, prevenir osteoporose com cálcio e vitamina D”, exemplifica. Os principais problemas enfrentados pela doença a longo prazo são infecções nos 10 primeiros anos e doenças cardiovasculares nos outros 15 a 20 anos. “Por isso, a gente tem que ficar bem amiguinho da doença, saber que ela tá ali do lado, não descuidar, mas também não deixar ser dominado por ela”, encerrou.

 

Related posts

SUS passa fornecer novo medicamento oral para artrite reumatoide citrato de tofacitinibe (Xeljanz)

Priscila Torres

Medicamentos e bebidas alcoólicas, uma relação perigosa

Priscila Torres

Peso Saudável, articulações com vida longa

Priscila Torres
Loading...