Lupus: entenda como se manifesta a doença autoimune

A causa exata da doença ainda é desconhecida, mas sabe-se que há fatores múltiplos envolvidos

Selena Gomez, Lady Gaga, Astrid Fontenelle, Toni Braxton. O que todas têm em comum além da fama? Elas e outras milhares de mulheres anônimas são portadora do Lúpus. De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OSM) a doença atinge nove mulheres para cada homem.

O Lúpus é uma doença inflamatória crônica, de origem autoimune (quando o sistema imunológico ataca o próprio organismo). O conjunto das alterações ambientais, com fatores genéticos e hormonais, desequilibra o organismo, que passa a apresentar alterações imunológicas. A principal é a produção desregulada de anticorpos que reagem com proteínas do próprio organismo e causam inflamação em diversos órgãos, como pele, mucosas, pulmões, articulações e rins.

Não existe uma causa estabelecida e não existem maneiras conhecidas de impedir o aparecimento da doença. Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, sabe-se que fatores genéticos, hormonais e ambientais contribuem para seu desenvolvimento.

Os principais sintomas da doença são dores nas articulações, cansaço desproporcional e sem explicação, manchas na pele, queda de cabelo (porque o folículo fica inflamado), dor para respirar, parece uma dor muscular, mas não vai embora, febre. Esses sintomas não precisam se manifestar ao mesmo tempo. Outros sintomas são: emagrecimento, anemia, perda de apetite, desânimo e fraqueza. A característica mais presente do Lúpus é a ‘borboleta’, que são manchas vermelhas no rosto. Além disso, são frequentes os relatos de dores com ou sem inchaço nas articulações das mãos, punhos, joelhos e pés, inflamação das membranas que recobrem o pulmão e coração (pode não ter sintoma ou apresentar dor no peito, tosse seca e falta de ar), inflamação nos rins (nefrite).

Tipos de lúpus

O lúpus tem dois tipos: cutâneo (manchas na pele) e sistêmico (atinge um ou mais órgãos). Os sintomas podem variar, mas é comum que o paciente apresente cansaço, febre baixa, emagrecimento e perda de apetite. Também pode haver inchaço dos gânglios.

A doença provoca uma inflamação nos vasos sanguíneos, e como eles estão por toda parte do corpo, pode disseminar para qualquer lugar do organismo, tendo consequências mais sérias quando atinge os rins e o sistema neurológico.

O que é uma doença autoimune?

Uma doença autoimune é uma condição que ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói tecidos saudáveis do corpo por engano.

As causas das doenças autoimunes ainda não são conhecidas. A teoria mais aceita é que fatores externos estejam envolvidos na ocorrência dessa condição, principalmente quando há predisposição genética e o uso de alguns medicamentos.

A maioria das doenças autoimunes é crônica, mas muitas podem ser controladas com tratamento. Os sintomas das doenças autoimunes podem aparecer e desaparecer continuamente.

O lúpus ocorre quando o sistema imunológico ataca e destrói alguns tecidos saudáveis do corpo. Não se sabe exatamente o causa esse comportamento anormal, mas pesquisas indicam que a doença seja resultado de uma combinação de fatores, como genética e meio ambiente.

Esses mesmos estudos mostram que pessoas com pré-disposição ao lúpus podem desenvolver a doença ao entrar em contato com algum elemento do meio ambiente capaz de estimular o sistema imunológico a agir de forma errada. O que a ciência ainda não sabe é quais são todos esses componentes. Os pesquisadores, no entanto, têm alguns palpites:

Luz solar: a exposição à luz do sol pode iniciar ou agravar uma inflamação preexistente a desenvolver lúpus

Infecções: Ter uma infecção pode iniciar lúpus ou causar uma recaída em algumas pessoas

Medicamentos: lúpus também pode estar relacionado ao uso de determinados antibióticos, medicamentos usados para controlar convulsões e também para pressão alta. Pessoas com sintomas parecidos com os do lúpus geralmente param de apresentar quando interrompem o uso.

“Vivo como se fosse o último dia; se por acaso acontecer o pior, posso dizer que aproveitei a vida”

Desde os 15 anos, a professora da Educação Infantil e artesã, Cintia Alves Delleprane sentia fortes dores nas articulações, principalmente nos joelhos, depois da gravidez da única filha, tudo piorou. Ela então, iniciava uma longa jornada de consultas médicas e exames para descobrir o que tinha. “Ao conversar com o neurologista, e explicar que uma tia tinha o Lúpus, fui diagnosticada com lúpus endêmico e desde então, há 23 anos, estou em tratamento, tomo remédio todos os dias”, relata a professora de 44 anos.

Um dos maiores problemas relatados por Cintia é a falta de informação sobre a doença. “O Lúpus não é contagioso, sempre posto mensagens nas redes sociais sobre isso. Uma vez, uma mãe ao descobrir sobre a minha doença, fez um escândalo, pois ia contaminar sua filha. A falta de informação ainda é o mais difícil”, citou.

A vida, de acordo com ela, não é fácil. “Já tive crise nos rins que quase paralisaram, tenho depressão por conta do Lúpus, já tive queda nos cabelos, e sensibilidade nos dentes, o Lúpus ataca silenciosamente, é uma doença muito severa. Quando se descobre, já está em estado grave. Não é fácil, procuro não deixar ela me dominar, se estou passando mal, vou trabalhar da mesma forma e procuro não focar nisso. Sou uma pessoa com Lúpus que por mais que ele tenha me abatido no inicio, por causa das dores, agora ele é apenas um detalhe na minha vida, não me prendo a ele”, destaca.

Ela não poderia se expor ao sol, mas, mesmo assim, é trilheira, por amor ao esporte, toma as devidas proteções. “Trilha é superação, uso boné, blusa de proteção solar e o protetor, que é de uso diário. Sem esses devidos cuidados não conseguiria praticar o esporte”, analisa.

Outra reclamação dela é em decorrência da falta de atendimento pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Estou na fila de espera do reumatologista desde janeiro e não consigo atendimento, seria necessário fazer exames a cada seis meses, o que também não tenho feito, pois são muito caros”, conclui.

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));