Lúpus (LES) Notícias

Lúpus – Doença acomete dez vezes mais mulheres do que homens

O lúpus é uma doença autoimune, crônica e inflamatória que pode comprometer órgãos como pulmão, coração, cérebro e rins, também pode atingir as células do sangue, levando à anemia, à redução das células de defesa e plaquetas. Trata-se de uma enfermidade que evolui de forma rápida, em semanas ou meses.

A principal causa é a predisposição genética, mas os fatores que desencadeiam a doença podem ser o excesso de exposição ao sol, a taxa elevada de estrógeno e até mesmo picos de estresse.

O lúpus acomete mais as mulheres (1 homem a cada dez mulheres), especialmente em idade fértil, entre 15 e 45 anos, com leve predomínio na raça negra.  No Brasil, estima-se que haja 65 mil pessoas com a doença.

Os sintomas iniciais envolvem perda de peso, fraqueza, queda de cabelo e febre. À medida que a doença inflama os tecidos, estes também apresentam manifestações clínicas – pele com lesões avermelhadas em áreas mais expostas ao sol, como rosto e braços.

Os pacientes também podem sentir dor nas articulações. “Acordam com dor e, algumas vezes, apresentam artrite, que é a junta inflamada, que fica inchada, vermelha e quente”, explica a reumatologista Nafice Costa, vice-presidente da Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR).

O diagnóstico do lúpus é baseado nessas manifestações clínicas e em exames laboratoriais, de sangue e urina, e de imagem. “Não existe um exame específico para diagnosticar o lúpus, mas o FAN, que é um anticorpo de fator antinuclear, está presente em 98% das lúpicas. Então, a presença de um FAN em pacientes com manifestação clínica permite o diagnóstico de lúpus eritematoso sistêmico”, esclarece a dra. Nafice.

O tratamento é feito tanto com remédios quanto com dietas, diminuindo o uso de açúcares, sal e gorduras, e aumentando a ingestão de cálcio e vitamina D – que tende a diminuir, já que pessoas com lúpus não devem se expor ao sol.

Segundo a vice-presidente da SPR, “o atual arsenal terapêutico é bem razoável, o que tem aumentado bastante a sobrevida desses pacientes”. Ela também explica que as atividades físicas têm um papel importante no tratamento da doença, pois ajudam a melhorar as dores e a fadiga que os pacientes frequentemente sentem. “Além de melhorar a autoestima, o que é fundamental nesses casos.”

Hidroxicloroquina traz risco para quem tem lúpus – Um dos principais medicamentos utilizados para tratamento do lúpus é a hidroxicloroquina.  Embora não existam comprovações científicas, a droga tem sido apontada para o tratamento da COVID-19 e, consequentemente, muito procurada pela população em geral. A falta desse medicamento nas farmácias afeta diretamente os pacientes com lúpus, visto que, para o tratamento dessa enfermidade, a eficácia da hidroxicloroquina é comprovada e extremamente benéfica. “O medicamento age tanto nas manifestações clínicas, articulares e cutâneas, quanto na renal, podendo evitar a formação de trombos, diminuindo a mortalidade e aumentando a sobrevida de pacientes com lúpus”, ressalta a  reumatologista da Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR).

Fonte para entrevistas: dra. Nafice Costa, reumatologista e vice-presidente da Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR)

A Sociedade Paulista de Reumatologia (SPR) é uma associação civil científica, sem fins lucrativos, criada para representar os reumatologistas do Estado de São Paulo. Desde sua fundação, em 1953, a SPR atua ativamente para cumprir o papel de levar aos profissionais da saúde do Estado de São Paulo e ao público em geral as mais recentes conquistas científicas no campo da reumatologia.  A SPR é afiliada à Associação Paulista de Medicina e à Sociedade Brasileira de Reumatologia / Associação Médica Brasileira.

Fonte: Assessoria de imprensa. 

Artigos Relacionados

Aumenta a incidência de Doença Inflamatória Intestinal no Brasil

Priscila Torres

Fortaleza recebe Comemoração dos 10 anos do Garce

Priscila Torres

Ficar nua em frente ao espelho pode revelar doenças

Priscila Torres
Loading...