Notícias

Intolerância alimentar: como adequar o cardápio

Enjoos, vômitos, sensação de estufamento no abdômen e diarreia são sintomas familiares para quem tem intolerância alimentar e acaba comendo alimentos que não pode. Este problema no organismo é mais comum do que se imagina e representa uma reação do sistema digestivo a nutrientes que não conseguem processar como a lactose, glúten e outros.

Para evitar os desconfortos causados pela intolerância alimentar, Jessica Santos, nutricionista da Superbom, empresa alimentícia especializada na fabricação de produtos saudáveis, alerta para a importância de adequar o cardápio de acordo com cada tipo de intolerância, tirando da rotina alimentos que fazem mal.

A especialista comenta abaixo os diferentes tipos de intolerância alimentar e quais alimentos indicados para substituição:

Lactose

“Pessoas que possuem intolerância à lactose têm reação ao consumo de leite de origem animal e seus derivados, além de receitas e produtos industrializados que levam leite na composição. Por isso, é importante que os consumidores estejam atentos aos rótulos dos alimentos que levam à mesa”, esclarece.

Os leites vegetais de coco, soja, arroz e amêndoa são algumas opções indicadas pela nutricionista para substituir a bebida de origem animal. Os queijos veganos também são recomendados para quem possui intolerância à lactose.

Glúten

A substância considerada vilã por muitos é uma proteína presente em cereais e na realidade só faz mal para quem tem a doença celíaca, também conhecida como intolerância ao glúten. Pode ser encontrado em massas, pães, cervejas, biscoitos, bolo, salgadinhos e outros itens. Portanto, é um pouco mais difícil de cortar o glúten da dieta. Porém, é possível escolher receitas ou produtos que tenham farinhas de chia, linhaça, arroz, fubá e amido de milho no lugar da farinha trigo (rica em glúten).

Corantes ou conservantes

Algumas pessoas também podem ter intolerância a corantes ou conservantes artificiais amplamente utilizados em produtos como balas, bebidas e pratos prontos. “Nesses casos, o melhor é evitar esses itens e estar atendo aos rótulos, escolhendo alimentos que sejam livres de aditivos químicos e deixem essa informação nutricional clara na embalagem”, informa.

A especialista ressalta ainda que é essencial consultar um médico para diagnosticar qualquer tipo de intolerância alimentar, além de ter orientações adequadas sobre possíveis medicações e substituições alimentares.

Sobre a Superbom

A Superbom é uma empresa alimentícia, que trabalha com uma linha de produtos saudáveis, que abrange sucos, geleias, salsichas, proteínas, pratos prontos, entre outros. Fundada em 1925, a Superbom comercializa os seus produtos em mais de 25 mil pontos de vendas em todo país. Em função disso, é considerada uma das principais empresas do ramo de alimentos para veganos e vegetarianos do Brasil. A empresa iniciou as suas atividades com a produção de suco de uva, no interior de uma antiga casa pertencente ao Colégio Adventista Brasileiro (CAB), que posteriormente ficou conhecido como Instituto Adventista de Ensino e, hoje, abriga o Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp-SP). Durante toda a sua história, a empresa atua diretamente ligada à Igreja Adventista do Sétimo Dia. Atualmente, a companhia conta com 250 colaboradores, entre a sede e as duas plantas da indústria (localizadas em São Paulo, capital, e em Lebon Régis, Santa Catarina).http://www.superbom.com.br

Fonte: Assessoria de imprensa

Related posts

Ponto de vista!

Thamiris Paes

Conselho Nacional de Saúde se mantém atento às discussões sobre biológicos e biossimilares

Priscila Torres

“Dr. Consulta” realiza orientação à distância para pacientes com sintomas suspeitos de Coronavírus

Priscila Torres
Loading...