Notícias

Falta de medicamentos de alto custo arrisca pacientes

Os pacientes de Franca e região que ganharam uma nova chance de vida ao receberem transplantes de órgãos agora sofrem com uma angustiante espera. Desde o final do mês passado, eles não conseguem receber os medicamentos Micofenolato e Tracolimus, que evitam a rejeição do organismo aos órgãos transplantados e devem ser tomados diariamente. Os dois deveriam ser distribuídos gratuitamente na Farmácia de Alto Custo, que funciona no prédio do DRS (Departamento Regional de Saúde), mas estão em falta.

A coladeira de peças Maria Teresinha Carvalho, 46 anos, moradora do Jardim Aeroporto I, desde o dia 29 de setembro espera pelos remédios. “Todos os dias eu ligo lá no DRS para ver se chegaram, e nada. É uma espera desesperadora porque não sei como será se eu ficar sem tomá-los.”
Maria Teresinha conta que até tentou comprá-los nas farmácias comuns, mas, segundo ela, os medicamentos não estão à venda. “Eu liguei, implorei. Queria até encomendar, mas as farmácias não trabalham com esse tipo de medicamento.”
A coladeira disse que, sem outra alternativa, fez apelos nas redes sociais e na Rádio Difusora pedindo a doação dos dois medicamentos. “Consegui que dois pacientes me ajudassem, mas os remédios que recebi acabam neste domingo e não sei como será.”
Ela conta que foi transplantada em 2010, quando recebeu um novo rim, e desde então toma os remédios diariamente. “Eles são indicados para evitar a rejeição.”
O músico Rodrigo Vergara, que também é transplantado, disse que a falta de medicamentos na Farmácia de Alto Custo em Franca tem se tornado rotina. Ele até criou um grupo nas redes sociais para que os pacientes possam trocar informações e também se ajudarem. “São muito preocupantes essas faltas constantes. Sempre tem um ou outro medicamento que não tem no estoque. Sempre que procuramos alguma informação, a resposta é a mesma: que simplesmente não tem.”
O GCN procurou o DRS para comentar a falta de medicamentos, por meio de uma nota, a diretoria atribuiu a falta dos medicamentos ao Ministério da Saúde, que seria o responsável pela distribuição em todo o Estado. O GCN encaminhou e-mail ao Ministério, mas até o fechamento desta edição não houve resposta. Segundo o DRS, não há previsão de regularização.
Colaborou Cássio Freires, da Rádio Difusora
Fonte: GCN

Related posts

Bebidas alcoólicas e excesso de proteína elevam perigosamente os níveis de ácido úrico

Priscila Torres

Sem fitas para exame, diabético faz BO contra Prefeitura de Ribeirão Preto

Priscila Torres

Luta contra osteoporose

Priscila Torres
Loading...