Notícias

Estudo prova eficácia de teste para prever risco de recaída em doentes de lúpus

Duas equipes de pesquisadores franceses demonstraram a eficácia de um novo teste para prever o risco de recaída nos doentes de lúpus, uma doença autoimune que alterna períodos de exacerbações e remissões.

Este teste, mais rápido e sensível que os existentes, permitiu estabelecer que os pacientes com lúpus em remissão, mas com uma taxa elevada de interferon – uma proteína da família das citocinas -, têm mais risco de recaída no ano seguinte que os outros.

Esta informação é importante para saber quais pacientes necessitam “uma estreita vigilância” e quais podem “se beneficiar de uma redução da vigilância e dos tratamentos”, explicam os autores do estudo, publicado nesta segunda-feira na revista Annals of the rheumatic diseases.

O lúpus é uma doença autoimune, grave e crônica, cujas causas continuam sendo desconhecidas. Afeta cerca de cinco milhões de pessoas no mundo.

A doença se caracteriza por um desajuste do sistema imunológico que ataca os tecidos e os órgãos do doente, e se manifesta com sinais clínicos muito variáveis (erupções cutâneas, artrite, problemas renais, neurológicos, anemia), o que complica seu diagnóstico.

Estudos anteriores demonstraram que as células do sistema imunológico dos doentes de lúpus produzem interferons em abundância.

“Esta ‘assinatura’ interferon é ainda mais acentuada quando a patologia é grave ou em exacerbação” e “o reaparecimento de anomalias biológicas pode pressagiar um surto após um período de calma”, explica a Assistência Pública dos Hospitais de Paris (AP-HP), em um comunicado.

Mas os testes biológicos clássicos não são sensíveis o suficiente para detectar as baixíssimas concentrações de interferons presentes no soro nos períodos de remissão.

A tecnologia utilizada no estudo pelas duas equipes do hospital da Pitié-Salpêtrière (AP-HP) de Paris, um teste digital da empresa americana Quanterix, é mais rápida e consiste em um “simples teste biológico, realizado a partir de alguns microlitros de soro”.

Seu uso em 254 doentes com lúpus em remissão detectou “taxas anormalmente elevadas de interferon alfa no soro” em um quarto deles. O acompanhamento destes pacientes participantes durante um ano demonstrou que “esta anomalia biológica está associada com um risco de recaída em aumento”.

Fonte: Em Notícias 

Artigos Relacionados

Ortopedistas mineiros adaptam técnica cirúrgica para tratar artrose do dedão do pé de forma menos invasiva

Priscila Torres

Microsoft vai usar inteligência artificial para mapear sistema imunológico

Priscila Torres

Entenda como a cirurgia bariátrica pode diminuir os riscos de câncer

Priscila Torres
Loading...
if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));