Estudo Americano encontra possível tratamento da osteoporose em mulheres

Cientistas descobriram que um punhado de células cerebrais no fundo do cérebro pode desempenhar um papel surpreendente no controle da densidade óssea das mulheres.

Duas universidades norte-americanas descobriram um potencial novo tratamento para mulheres mais velhas que sofrem de uma condição médica em que seus ossos se enfraquecem e quebram facilmente, segundo um novo estudo publicado recentemente na revista Nature Communications.

Cientistas da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA) e da Universidade da Califórnia em San Francisco (UCSF) descobriram que um punhado de células cerebrais no fundo do cérebro pode desempenhar um papel surpreendente no controle da densidade óssea das mulheres.

Durante experimentos em camundongos, os pesquisadores descobriram que camundongos fêmeas, em vez de machos, tiveram crescimento de seus ossos extraordinariamente fortes quando um conjunto particular de sinais de um pequeno número de neurônios em seus cérebros foi bloqueado, mantendo seus ossos super fortes mesmo na velhice.

O estudo sugere que “talvez tenhamos descoberto um caminho completamente novo que poderia ser usado para melhorar a força dos ossos em mulheres mais velhas e outras com ossos frágeis”, disse o principal autor do estudo, Holly Ingraham, professor e vice-presidente de farmacologia celular e molecular em UCSF.

A coautora do estudo Stephanie Correa, professora assistente de biologia e fisiologia integrativa da UCLA, observou em sua experiência passada que a exclusão genética da proteína receptora de estrogênio em neurônios em uma região do cérebro chamada hipotálamo fazia com que camundongos alterados ganhassem uma pequena quantidade de peso.

Seus resultados laboratoriais surpreendentes mostraram que os camundongos pesados tinham ossos grandes, já que sua massa óssea aumentava em até 800%.

“Nós sabíamos imediatamente que era uma grande mudança e apresentamos uma direção nova e excitante com aplicações potenciais para melhorar a saúde das mulheres”, disse Correa em um comunicado da UCLA.

Mais de 200 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de osteoporose, um enfraquecimento dos ossos que causa fraturas como resultado de quedas ou mesmo pequenas inclinações, como curvar-se ou tossir.

As mulheres apresentam risco particularmente alto de osteoporose após a menopausa, e quase um terço das mulheres na pós-menopausa nos EUA e na Europa sofrem de ossos enfraquecidos, de acordo com um relatório da UCSF.

Os cientistas dos EUA esperam que, se mais experimentos provarem que um novo fator circulante produzido pelo cérebro desencadeia crescimento ósseo melhorado, eles possam desenvolver um medicamento para o tratamento da osteoporose em mulheres mais velhas.

Fonte: Sponsored by Xinhua News

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));
%d blogueiros gostam disto: