Escarlatina retorna e desafia a medicina

A escarlatina, é uma infecção que atingia majoritariamente crianças e havia ficado praticamente relegada ao século passado, mas está reaparecendo em algumas partes do mundo.

Um surto da doença está acontecendo no Reino Unido e na Ásia e tem intrigado especialistas.

Na Inglaterra e no País de Gales se fala inclusive de “drásticos aumentos” de incidência desse tipo de infecção, e as autoridades de saúde pública ainda não conseguiram identificar a causa para isso.

Em 2015, foram registrados 17.586 casos da infecção no país – número mais alto desde 1967, quando foram registrados 19.305 casos.

“Durante os últimos cinco anos, houve mais de 5 mil casos em Hong Kong, algo que representa 10 vezes o número médio de casos registrados anteriormente. E foram mais de 100 mil casos na China”, revelou o professor Mark Walker, do Centro de Doenças Infecciosas da Austrália.

No Brasil, não há notícias de um número significativo de casos recentemente.

Escarlatina

A escarlatina, que afeta principalmente crianças entre 5 e 12 anos, é uma infecção bacteriana causada por estreptococos do grupo A.

Ela é transmitida pelo contato próximo de pessoas que têm a bactéria – frequentemente encontrada na garganta, portanto é comum a transmissão pela saliva – ou pelo contato com objetos contaminados.

Os sintomas incluem dor de garganta, dor de cabeça, febre e uma textura áspera e vermelha da pele na região do peito e do estômago – que depois pode se espalhar para outras partes do corpo.

A doença é tratada com antibióticos e é, em geral, uma infecção leve. O sintoma clássico que ela apresenta é um tipo de palidez seguida de descamação e vermelhidão na pele e na língua e pequenos pontos vermelhos no fundo do céu da boca, além de dor de garganta.

Causa desconhecida

A escarlatina foi uma infecção comum na Inglaterra e no País de Gales no início do século 20, até os anos 1930, uma época que eles chegaram a registrar até 100 mil casos.

Desde então, os números foram reduzindo de maneira gradual, principalmente devido ao surgimento dos antibióticos. No entanto, em 2014, os especialistas começaram a notar um aumento recente significativo no número de casos.

Ainda não se sabe a causa do retorno da doença.

Fonte: Diário da Saúde

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Planejar aposentadoria fica ainda mais difícil na pandemia

Trabalhador deve conhecer sua vida contributiva e as regras da Previdência antes do pedido A pandemia de Covid-19, a crise econômica e a reforma da...

Procure conhecer tudo à respeito da sua doença e como você pode se ajudar! E acima de tudo, nunca desista!

No final de 2015, tive uma febre tão alta que me debatia na cama. Depois disso, não conseguia mais escovar dentes, pentear os cabelos,...

Live irá debater a falta de medicamentos nas Farmácias de Alto Custo

ReumaLive: Direitos dos Pacientes: Assistência Farmacêutica Em dezembro de 2020, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), emitiu um documento em que foi declarado...