Entenda como prevenir a obesidade

Dia Nacional de Prevenção da Obesidade: nutricionista do Hapvida dá dicas para evitar a doença

Obesidade, atinge crianças e adultos, e vem afetando a qualidade de vida de um número cada vez maior de brasileiros

Dados do Ministério da Saúde, deste ano, mostram que 18,9% dos brasileiros com mais de 18 anos e que vivem nas capitais, são obesos. O número é 60,2% maior que o índice registrado em 2006, quando a pesquisa foi realizada pela primeira vez.

A obesidade, porém, é uma doença que não fica restrita aos adultos. Em 2017, o Ministério da Saúde identificou 328 mil crianças obesas com idades entre zero e cinco anos, o que representa 7,1% da população infantil. Como se trata de um problema que pode ser prevenido com alimentação adequada e prática de exercícios físicos, a adoção desse padrão de vida deve iniciar-se desde o nascimento.

Pensando na relevância do combate a essa doença, o nutricionista do Hapvida Saúde, Igor Oliveira, responde algumas perguntas frequentes sobre o tema:

O que é a obesidade?

Caracteriza-se pelo excesso de tecido adiposo, que pode causar inúmeras outras patologias. A obesidade infantil, inclusive, vem crescendo de forma muito rápida. Segundo pesquisas, em torno de 7% das crianças abaixo de 5 anos estão acima do peso, e isso pode ter diversas causas e efeitos no organismo.

Quais são as causas da obesidade infantil?

As causas podem ser várias, como a introdução alimentar mal realizada, falta de educação alimentar e nutricional, oferta demasiada de alimentos industrializados. Fatores hormonais e genéticos também podem prejudicar muito a condição, assim como a falta de atividade física relacionada à muitas horas em televisão, celular e pouca brincadeira, dentre outros. Portanto, a conscientização dos pais e/ou cuidadores com relação à alimentação é de extrema importância, afinal são eles que irão apresentar os alimentos para a criança.

Quais são os grupos de risco?

Não há exatamente um grupo de risco. Com o passar dos anos, o Brasil deixou de possuir a maior parte da população com desnutrição e passou a ter uma população obesa. Independentemente de fazer parte de uma família com maior ou menor poder aquisitivo, crianças que tenham uma alimentação rica em industrializados, alimentos ricos em açúcar, conservantes e aditivos, são os mais afetados pela obesidade.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito pela correlação do peso, estatura, índice de massa corporal (IMC) e idade. Dependendo da idade da criança, se seu peso estiver elevado em relação à idade e estatura, temos um possível caso de obesidade.

Tem cura? Qual tratamento?

Existe tratamento, embora bem complexo e com muitas variáveis. Reeducação alimentar e redução de industrializados são o início da parte nutricional do tratamento, que deve envolver outros profissionais da saúde. Para crianças, a prática moderada de atividades físicas pode ser lúdica e em forma de brincadeira.

Quais são suas complicações?

As complicações são má formação óssea, doenças metabólicas (diabetes e hipertensão), aumento das chances de acidente vascular cerebral (AVC), doenças cardiovasculares e câncer, além de problemas psicológicos e sociais. Uma criança obesa tem mais chances de se tornar um adolescente e adulto com obesidade e apresentar seus riscos associados.

Como prevenir?

A prevenção se dá pela educação alimentar e nutricional de toda a população e o incentivo da prática de atividades físicas. Recentemente, o Brasil aprovou uma lei que inclui a educação nutricional e alimentar no currículo escolar. Este pode ser um passo em direção à redução da obesidade infantil.

Mais informações à imprensa:
CDN Comunicação – www.cdn.com.br

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));