A dor que não melhora. Será?

De uma forma geral, faz parte do “perfil de pessoas com dor crônica” relatar que a dor não melhora com nada. Meio frustrante para todos os envolvidos. E assim se faz uma dor crônica persistente e o paciente vai rodando em vários serviços de saúde a procura de algum alívio.

Muitas vezes isso se dá pelo foco na intensidade, ou seja, na quantidade de dor sentida. Tão subjetiva quando qualquer dor, a intensidade pode ser transformada em números, por exemplo, entre 0 e 10 para dar uma nota a dor. Mas, na dor crônica, usar esta ferramenta é a maior furada na maioria das vezes. Para driblar isso e manter o foco na função, podemos usar outros meios para saber sobre a “melhora da dor”.

Então, se:

– A dor deixou de ser espalhada e ficou mais concentrada

– Você consegue agora definir bem aonde está a dor

– Os episódios agudos diminuíram

– Não dói mais o tempo todo

– Você está fazendo mais atividades do que antes

– Não dói como antes

– Consegue dormir melhor

– Usa menos remédio

Parabéns, você melhorou.

Vale a pena usar como referência a localização, frequência, qualidade, fatores de piora e melhora, nível de atividade e gravidade da dor do que usar a intensidade.

Fonte: DorTerapeuta – Blog das dores crônicas

if (d.getElementById(id)) {return;} js = d.createElement(s); js.id = id; js.src = "https://connect.facebook.net/en_US/sdk.js"; fjs.parentNode.insertBefore(js, fjs); }(document, 'script', 'facebook-jssdk'));