Dor nas costas pode ser sinal de espondilite, diz reumatologista

Dor na região mais baixa das costas e no quadril, que piora quando está em repouso e apresenta alívio quando está em movimento. Esses sintomas podem ser algo muito mais sério do que um simples mal jeito na coluna. Pode significar espondilite anquilosante, que é uma doença inflamatória, crônica – ou seja, sem cura – e progressivamente incapacitante. Além disso, se diagnosticada tardiamente e sem o tratamento correto pode ocasionar prejuízos à mobilidade e evoluir para artrite de grandes articulações nos membros inferiores.

Cerca de 20% dos indivíduos com HLA-B27 (marcador genético) podem desenvolver a doença. Segundo o reumatologista Fernando Gasparin, a espondilite anquilosante aparece na maioria dos casos em adultos jovens – entre 20 e 45 anos – e é mais frequente em homens. “Há pessoas que acordam no meio da noite com dor, que melhora depois de se movimentar um pouco. Muitos acordam pela manhã rígidos, com a coluna travada. É preciso se levantar e movimentar para melhorar”, afirmou Gasparin.

De acordo com ele, a dor próxima às nádegas pode ocorrer apenas de um lado. “A espondilite tem um início lento e a piora é insidiosa. Mas uma vez iniciada a doença, o processo é contínuo com dor todos os dias.”

Outra característica da doença é a inflamação das articulações entre as costelas e a coluna vertebral, que pode causar dor irradiada para o peito e que piora com respiração profunda, sentida ao redor das costelas. Alguns pacientes apresentam forte cansaço, perda de apetite e peso.

Se não diagnosticada e tratada adequadamente, a espondilite anquilosante pode levar à incapacidade física, com acentuada limitação dos movimentos e curvatura da coluna que dificulta o caminhar de forma ereta, ficando com o tronco curvado e a cabeça baixa (posição de esquiador) sem conseguir girar o pescoço. “Também pode acarretar em artrite de grandes articulações, principalmente de membros inferiores, como joelho e tornozelo. Além disso, pode ocorrer uveíte, que é a inflamação do olho. E dactilite ou dedo de salsicha, que é inflamação dos dedos e ficam completamente inchados”, disse Gasparin.

Diagnóstico e tratamento

Para o diagnóstico da espondilite anquilosante é necessário procurar um especialista em reumatologia. Segundo Gasparin, atualmente, o resultado positivo da doençã é mais rápido e mais preciso. “Hoje em dia se consegue fazer o diagnóstico muito mais precoce. Com poucas semanas de sintomas, já pode ser detectada com uma ressonância da articulação sacroilíaca. Há 10 anos, era mais difícil e demorado. Era feito com radiografia e para se ter alguma alteração no raio X levava de 3 a 5 anos.”

Os tratamentos também estão mais acessíveis e eficazes, de acordo com o reumatologista. “Atualmente, os medicamentos utilizados são cobertos tanto pelos planos de saúde quanto pelo SUS. É uma cobertura obrigatória e muda a qualidade de vida do paciente”, disse Gasparin. Fisioterapia também é uma alternativa para tratar a espondilite anquilosante.

Fonte: Correio Uberlândia

Olá, participe da conversa, deixe o seu comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Artigos Relacionados

Não me conformei com a opinião de apenas um médico

Comecei a ter sintomas com 36/37 anos, o médico tratava como LER (Lúpus eritematoso sistêmico) que custou o diagnóstico… Depois passei a tomar anti-inflamatórios...

Judicialização da saúde: como usar a Justiça gratuita contra a SUS

A judicialização da saúde é um fenômeno que cresce a cada dia e esse aumento expressivo se deve a algumas situações.  É verdade que as...

Planejar aposentadoria fica ainda mais difícil na pandemia

Trabalhador deve conhecer sua vida contributiva e as regras da Previdência antes do pedido A pandemia de Covid-19, a crise econômica e a reforma da...