Notícias

Desconhecimento da população exige maior especialização de profissionais de saúde sobre diabetes

No início de 2019, a Organização Mundial da Saúde (OMS) elegeu a evolução no tratamento de doenças crônicas não transmissíveis, como o diabetes, como uma de suas prioridades para o ano. No Brasil, são 12 milhões de pessoas adultas portadoras da doença, e 14 milhões pessoas com pré-diabetes. É também uma das maiores causas de morte no país entre os maiores de 60 anos. Sendo assim, instituições de ensino como o Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein já oferecem oportunidades para profissionais de saúde se especializarem cada vez mais no assunto.

“Os profissionais de saúde devem estar preparados para reconhecer os pacientes com fatores de risco para diabetes, já que se trata de uma patologia tão prevalente na nossa população, com incidência crescente e de grande impacto em produtividade e qualidade de vida.” Diz Adriana Martins Fernandes, endocrinologista especialista em diabetes da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein. “É importante estar apto a orientar medidas preventivas como atividade física regular e dieta adequada, indicar a investigação diagnóstica quando necessário, motivar mudanças de estilo de vida e encaminhar ao especialista se for o caso”, completa.

Entre as complexidades que envolvem o diabetes está o fato de ser uma doença que não apresenta sintomas claros e pode passar silenciosamente pelos seus primeiros estágios. A relação com outras complicações de saúde também é alta, como problemas cardiovasculares ou nos rins. Estes, inclusive, já podem se manifestar ainda no pré-diabetes.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes, quase metade dos portadores não sabem que possuem a doença. E é aí que entra a missão do profissional de saúde em disseminar a conscientização sobre o tema para seus pacientes, já que o diagnóstico pode vir através dos sintomas de outras complicações e que cuidados diários podem evitar complicações mais graves da doença. “Na ausência de sintomas, frequentemente o diabetes não é percebido como uma doença potencialmente grave pelos pacientes. Combater a desinformação e prevenir as complicações é uma das tarefas mais importantes em uma consulta com um profissional adequado”, afirma Dra. Adriana.

O número de diabéticos no Brasil cresceu 61,8% em 10 anos entre 2006 e 2016, e a tendência de crescimento da doença é observada em um fluxo mundial, influenciada por fatores como o envelhecimento da população, mudanças dos hábitos alimentares e prática de atividade física. Na condição de doença crônica e, por enquanto, sem cura, as pesquisas seguem em evolução, e devido às dificuldades atuais em realizar o diagnóstico precoce e as mudanças no perfil sócio demográfico, ainda serão necessários muitos especialistas no assunto.

O Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein conta com diversos cursos que auxiliam o profissional de saúde a lidar com esta população em importante crescimento a fim de oferecer a eles informações, tratamentos e condições de ter uma melhor qualidade de vida e hábitos mais saudáveis.

Com o curso de atualização Terapêutica em Diabetes, por exemplo, o profissional de saúde se tornará apto a reconhecer e propor estratégias diagnósticas adequadas a doença, propor o tratamento mais adequado ao indivíduo, considerando as diferentes comorbidades e reconhecer, inclusive, a necessidade de encaminhar para um especialista, caso seja necessário. Há também cursos de atualização como Exercício Físico para Portadores de Diabetes e Podiatria : cuidados com o Pé Diabético , e também a Pós graduação em Nutrição nas Doenças Crônicas Não Transmissíveis, abordando os mais recentes avanços científicos que embasam as recomendações nutricionais e direcionam para prevenção e tratamento. Mais informações: http://www.einstein.br/ensino/.

Sobre a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein

A Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein é uma sociedade civil sem fins lucrativos. Tem mais de 60 anos de história e atua nas áreas de assistência à saúde, educação e ensino, pesquisa e inovação e responsabilidade social. Conta com 12,9 mil colaboradores, 9,4 mil médicos e está sediada em São Paulo. O Einstein possui o Certificado de Entidade Beneficente de Assistência Social (CEBAS) e é qualificada como Organização Social da Saúde para atuar na prestação de serviços no Sistema Único de Saúde (SUS). Seu compromisso com o desenvolvimento amplo do sistema de saúde se traduz na oportunidade de melhoria e na construção de novos modelos de trabalho ajustados aos desafios atuais. O Einstein integra fóruns nacionais e internacionais de discussão e participa ativamente de iniciativas conjuntas com o poder público, órgãos reguladores, hospitais, operadoras de planos de saúde e entidades setoriais para o desenvolvimento do sistema de saúde brasileiro.

Fonte: Assessoria de imprensa.

Related posts

Conheça cinco alimentos que ajudam no controle do colesterol

Priscila Torres

Roer unhas: mania que pode prejudicar sua saúde bucal

Priscila Torres

Conitec quer conhecer pacientes e associações do Brasil

Priscila Torres
Loading...